O procurador do Ministério Público do Trabalho Sandoval Alves da Silva tomou posse na chefia da Procuradoria Regional do Trabalho da 8ª Região para o biênio de 2021-2023 enfatizando o papel decisivo do MPT na garantia dos direitos humanos. O…

Prevaleceu o bom senso e o cuidado com as pessoas. O prefeito Edmilson Rodrigues ouviu o secretário municipal de Saúde, Maurício Bezerra, e técnicos responsáveis pela vacinação e enfrentamento à Covid-19, e cancelou os desfiles das escolas de samba, blocos…

Começou hoje (27) às 8h e segue até às 17h a votação nas prévias do PSDB para escolher seu candidato à Presidência da República. O resultado, se tudo correr bem, deve ser anunciado às 20h. O partido passou a semana…

Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

Voto do relator: direito à escolha

“A incolumidade física do feto anencéfalo, que, se sobreviver
ao parto, o será por poucas horas ou dias, não pode ser preservada a qualquer
custo, em detrimento dos direitos básicos da mulher. 

Cabe à mulher, e
não ao Estado, sopesar valores e sentimentos de ordem estritamente privada,
para deliberar pela interrupção, ou não, da gravidez. Aborto é crime contra a
vida. Tutela-se a vida potencial. No caso do anencéfalo, repito, não existe
vida possível. O anencéfalo jamais se tornará uma pessoa. Em síntese, não se
cuida de vida em potencial, mas de morte segura. Mesmo à falta de
previsão expressa no Código Penal de 1940, parece-me lógico que o feto sem
potencialidade de vida não pode ser tutelado pelo tipo penal que protege a vida.

Se a proteção ao feto saudável é passível de ponderação com direitos da mulher,
com maior razão o é eventual proteção dada ao feto anencéfalo. A questão
posta nesse processo – inconstitucionalidade da interpretação segundo a qual
configura crime a interrupção de gravidez de feto anencéfalo – não pode ser
examinada sob os influxos de orientações morais religiosas. O Estado não
é religioso, tampouco é ateu. O Estado é simplesmente neutro”.
(Ministro Marco
Aurélio, relator no STF da ADPF 54, ao sustentar ser inadmissível que o direito
à vida de um feto que não tem chances de sobreviver prevaleça em detrimento das
garantias à dignidade da pessoa humana, à liberdade no campo sexual, à
autonomia, à privacidade, à saúde e à integridade física, psicológica e moral
da mãe, todas previstas na Constituição).

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *