Começou hoje (27) às 8h e segue até às 17h a votação nas prévias do PSDB para escolher seu candidato à Presidência da República. O resultado, se tudo correr bem, deve ser anunciado às 20h. O partido passou a semana…

Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

Na quarta-feira passada, dia 24, a audiência pública na Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara Federal, em Brasília, era para discutir a gravíssima situação na Terra Indígena Yanomami, mas o clima de enfrentamento entre bolsonaristas e lulistas inviabilizou…

O prefeito Edmilson Rodrigues anunciou que Belém tem condições de fazer o Carnaval 2022, após reunião hoje (25) à tarde com representantes das escolas de samba e blocos carnavalescos. Ele acredita que com mais de 80% de pessoas vacinadas contra…

Viver para contar

Depois de longevos 63 anos como diretor do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai) no Pará o ex-deputado federal Gerson Peres foi exonerado do cargo. Parece uma daquelas situações dos romances de Gabriel Garcia Marques. Puro realismo fantástico. É estranho pensar que meus pais ainda nem namoravam, ainda eram muito novinhos, muito menos eu tinha nascido, e ele já estava lá. 

Natural de Cametá e célebre por suas tiradas do folclore político, em especial a de que “em política até boi voa“, Gerson foi deputado estadual pelo PTB em 1958, migrou para a UDN e foi reeleito em 1962. Após o golpe militar de 1964 se filiou à Arena e se reelegeu em 1966, 1970 e 1974. Em 1978 virou vice-governador do Pará por via indireta na chapa do coronel Alacid Nunes, foi escolhido presidente do diretório estadual da Arena e do PDS, deputado federal em 1982, 1986 e 1990. Ausente da votação da Emenda Dante de Oliveira (Diretas Já) e eleitor de Paulo Maluf no Colégio Eleitoral, votou a favor do impeachment de Fernando Collor em 1992. Filiou-se depois a legendas como PPR e PPB, e conseguiu se reeleger em 1994 e 1998. Derrotado na disputa ao Senado Federal pelo PP em 2002, foi secretário especial de Promoção Social no primeiro governo Simão Jatene e seu último mandato de deputado federal foi em 2006.

Gerson Peres continua na ativa. Desta feita, na assessoria da presidência da Fiepa, a Federação das Indústrias do Pará, onde militou, por sinal, a vida inteira.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *