Os dirigentes do Sindicato e da Associação dos Servidores da Assembleia Legislativa festejaram o resultado da reunião de hoje com o presidente da Alepa, deputado Chicão, que também convidou para o encontro o Chefe de Gabinete da Presidência, Reginaldo Marques…

A Administração Superior do Ministério Público do Pará está empenhada em fortalecer a atuação dos promotores de justiça no arquipélago do Marajó, onde a situação de extrema pobreza, agravada pela pandemia, perpetua crimes gravíssimos como os abusos e exploração sexual…

“A Prefeitura de Belém, por meio da Comissão de Defesa Civil de Belém, informa que realizou vistoria técnica no bloco B do imóvel localizado na avenida Presidente Vargas, 762, no dia 11 de fevereiro, às 9h, em conjunto com representantes…

DEM e PSL ainda nem consumaram a fusão, prevista para outubro deste ano, mas a briga já é de foice. O ex-presidente do Senado Davi Alcolumbre e o ex-prefeito de Salvador ACM Neto duelam nos bastidores pelo comando do novo…

Vínculo afetivo & trabalhista

A relação jurídica familiar não exclui relação de emprego. A 10ª Turma do TRT-MG manifestou entendimento neste sentido ao reformar sentença para reconhecer o vínculo trabalhista entre um médico cirurgião e uma enfermeira instrumentadora cirúrgica, que também mantinha com o seu empregador vínculo afetivo.
As provas nos autos demonstraram que a autora viveu união estável por quase 17 anos, tendo prestado serviços ao companheiro durante o mesmo período, sem registro na
CTPS. A reclamante relatou que exercia a função de secretária no consultório do médico e de instrumentadora cirúrgica no hospital, com salário mensal de R$ 800,00. Afirmou que, durante todo esse tempo, só tirou férias uma vez, quando viajou com o ex.
Alegou que não possuía outros rendimentos e que trabalhou durante o relacionamento com o reclamado e para o reclamado, e os bens do casal foram adquiridos pelo esforço comum.
O reclamado admitiu a prestação de serviços e se limitou a dizer que a ex também trabalhava para outros médicos da equipe. Afirmou que, depois da separação, ocorrida há um ano, passou a trabalhar com outra instrumentadora. Por fim, alegou que a ex tem outras rendas como empresária e representante comercial e que mantinha com ela relacionamento de marido e mulher e não de patrão e empregada.
Ao apreciar a questão relativa ao reconhecimento do vínculo empregatício, alegado pela autora, em oposição ao vínculo familiar, defendido pelo reclamado, a relatora do recurso ponderou que cabia verificar se estão presentes os requisitos da relação de emprego ou se a prestação de serviços se deu em favor da entidade familiar apenas.
Salientou a magistrada que o fato da reclamante exercer outras atividades não afasta o vínculo, pois a exclusividade não é requisito da relação de empregado. No entender da relatora, as declarações das partes foram suficientes para evidenciar a relação de emprego. Acompanhando esse posicionamento, a Turma determinou o retorno do processo à Vara de origem para o julgamento dos demais pedidos.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *