0

Elias Asafe Silva Nascimento tem 5 anos e precisou amputar seu bracinho em cirurgia para osteossarcoma, quando ainda tinha só dois anos de idade. O tumor estava imenso e houve necessidade de remover o membro acima do cotovelo, incluindo uma parte saudável como margem de segurança para que não sobrassem células cancerígenas. Ele foi operado no Hospital Oncológico Infantil Dr. Octávio Lobo e, nestes três anos, não foi detectado avanço da doença. Agora o pequenino precisa de uma prótese 3D, que é mais leve, com a articulação do cotovelo, e sonha começar o ano letivo de 2022 com o bracinho novo. Peço a quem puder que dê esse presente de natal inesquecível. O WhatsApp da Reylla Nascimento, mãe do Asafe, é (91-993071327).

Conheci o Asafe porque o coordenador da Ong Grupo Doe, Elden Gomes, teve a ideia de gravar um vídeo do garoto mostrando sua alegria imensa ao assistir pela TV aos gols do Clube do Remo na conquista da Copa Verde. O miúdo sonhava ganhar uma camisa oficial de seu clube do coração. O vídeo foi postado no grupo de WhatsApp da Rede Intersetorial, grupo de voluntários que integro, pelo Clodoaldo de Araújo Picanço, ativista social coordenador dos projetos “Compaixão” e “Não se Cale, Registre”, que me dirigiu o pedido. Quando entrei em contato para saber detalhes, tomei conhecimento de que a Ong Grupo Doe atende 64 crianças – inclusive bebês – e adolescentes em tratamento de câncer, e a maioria é remista. Então achei melhor acionar o Clube do Remo. Contei para a Gabriella Florenzano, que pediu a André Anaisse (ex-diretor de Marketing do clube, a convite de quem ela gravou o hino do Mais Querido). Ele passou a bola ao atual diretor de Marketing do Remo, Renan Bezerra, que topou na hora, e ao qual pedi que também doasse algumas camisas para rifa solidária em prol dessas crianças.

Assim, Asafe recebeu o presente durante visita do mascote do time, do jogador Tiago Mafra, que lhe entregou a camisa oficial do Remo, e da assessora de comunicação do clube, Samara Miranda. O pequeno estava acompanhado de seus pais, da irmã de 12 anos, e dos amiguinhos Silvandro e Caio (igualmente apaixonados pelo Remo), com os quais disputou uma animada partida de futebol enquanto esperávamos o pessoal do Remo. Uma equipe da TV Cultura esteve lá fazendo cobertura, gentilmente enviada pelo presidente da Funtelpa, Hilbert Nascimento. O menino não cabia em si de tanta felicidade e ficou muito emocionado.

Silvandro Filho Reis Leal é um rapazinho de 11 anos. Já extirpou um rim e o câncer em metástase afeta seus dois pulmões e o baço. Além da cirurgia fez quimioterapia e atualmente radioterapia. O tratamento pode salvar sua vida mas também causa efeitos colaterais terríveis. Com tanta adversidade, o garoto mantém no semblante esperançoso uma alegria de doer em quem tem saúde e ainda reclama da vida. Quer muito ganhar uma camisa do goleiro Vinícius, seu atleta preferido do Clube do Remo. Gravei uma conversa com ele. Assistam. Vinícius, por favor vá dar um abraço no Silvandro. Ele precisa muito desse gesto e você vai se sentir feliz por isso.

O Caio tem 6 aninhos, sofre de Leucemia Linfóide Aguda (LLA), faz quimioterapia no Hospital Oncológico Infantil e é super despachado. Adora futebol. Em nossa conversa, pediu também uma camisa 10 oficial do Clube do Remo, tamanho 7 ou 8, porque ele quer crescer com ela. Assistam ao que ele diz, e peço a quem puder que faça esse pequeno feliz com o presente de Natal que ele pediu.

 O Grupo Doe foi criado por Cristina Menezes e seu marido Elden Gomes, em 2014, depois que perderam seu filhinho Eike, de 4 anos, para o câncer. Transformaram a dor em amor por todas as crianças que lutam contra a doença. Em uma casa de acolhimento na Trav. 14 de Abril, nº 1570, entre Av. Gentil Bittencourt e Av. Magalhães Barata, bairro de São Brás, em Belém do Pará, oferecem três refeições diárias, doam pelo menos uma cesta básica mensal a cada família dos pequenos cadastrados, fraldas descartáveis, material de higiene infantil e brinquedos aos meninos e meninas em tratamento oncológico. As crianças também têm espaço para brincar, banheiros e quartos para descanso. Tudo lá é sempre muito limpo e arrumado e as doações podem ser levadas presencialmente e quem preferir pode contribuir financeiramente através do pix (91) 983869719. O contato com Cristina é via 91-983360416 e com Elden pelo 91-983869719.

Confiram as fotos e os vídeos.

Franssinete Florenzano
Jornalista e advogada, presidente da Academia Paraense de Jornalismo, membro da Academia Paraense de Letras, do Instituto Histórico e Geográfico do Pará, da Associação Brasileira de Jornalistas de Turismo e do Instituto Histórico e Geográfico do Tapajós, editora geral do portal Uruá-Tapera e consultora da Alepa. Filiada ao Sinjor Pará, à Fenaj e à Fij.

A Piracema (soneto)

Anterior

Delegado Fonseca reassumiu a Prefeitura de Oriximiná

Próximo

Vocë pode gostar

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *