Um pastor de igreja evangélica localizada no município de Breves, no arquipélago do Marajó, foi condenado a 39 anos de prisão por estupro de vulnerável, exploração sexual e por possuir e armazenar pornografia infantil, com o agravante de que ele…

Acionado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, o Ministério Público Federal recomendou ao prefeito de Belém, Edmilson Rodrigues, medidas efetivas para que os responsáveis pelo edifício conhecido como Bloco B da Assembleia Paraense assegurem a manutenção emergencial do…

Na quarta-feira passada (22), operários e servidores ligados à execução da reforma e readequação do Palácio Cabanagem almoçaram com o presidente da Assembleia Legislativa, deputado Chicão, que preferiu essa forma de reunião para agradecer pelo compromisso com o trabalho e…

Nunca reclamem de barreiras de fiscalização no trânsito. Graças aos agentes do Detran-PA um homem vítima de sequestro foi resgatado ileso ontem à noite, por volta das 23h, na rodovia BR-316. Conforme relato do coordenador de Operações do Detran-PA, Ivan…

Valsa para Aita

Aita Altman trabalhava desde novinha na Petrobras, que funcionava no 3º andar do edifício Cosmorama, na Rua Manuel Barata, centro comercial de Belém, tocava piano e participava ativamente de grupos teatrais – seu nome figura, com destaque, no livro “Teatro de Vanguarda”, de Paraguassú Éleres, sobre a história do Norte Teatro Escola no Pará e os Festivais de Teatro de Estudantes. Três dias após o golpe militar de 1964, por ordem do interventor da Superintendência Regional da Amazônia, Coronel Nélio Lobato, foi proibida de entrar no prédio da Petrobras e em 16 de abril de 1964 foi demitida. Acusada de ter ligações com a União Soviética (!), foi recolhida no Presídio São José. Após a soltura, tinha que se apresentar semanalmente no QG, onde ouvia ameaças.
Perseguida em Belém, Aita tomou o rumo de outras plagas. Primeiro no Rio de Janeiro, depois em São Paulo, onde refez sua vida e se graduou em Sociologia e Política. Não foi fácil. Ninguém queria se comprometer dando trabalho para uma subversiva nos anos de chumbo. Hoje é anistiada e atua na área dos direitos humanos junto à Anistia Internacional, em São Paulo, além de participar do núcleo de tradutores da Organização, e faz pós-graduação em Política e Relações Internacionais. O seu tema de estudo e pesquisa é a tortura pelo viés de uma Ong que participa do trabalho da Pastoral Carcerária. Também é membro do Greenpeace e WWF na defesa do meio ambiente, e da UIPA e SUIPA na proteção dos animais.
Em 1938, Wilson Fonseca, então com 26 anos, compôs a valsa “Aita”, para piano solo, dedicada à sua sobrinha Aita Christine Malheiros Altman, filha de Rosinete Malheiros Altman (irmã de D. Rosilda, viúva de Isoca) e Arnaldo Altman. Agora, o filho do maestro Isoca, o magistrado e compositor Vicente Malheiros da Fonseca, dando prosseguimento a uma série de arranjos camerísticos que vem elaborando para obras musicais em homenagem às musas da família Malheiros-Fonseca, escreveu um arranjo para a valsa “Aita”, destinado a Quinteto de Sopros (Flauta, Oboé, Clarinete, Fagote e Trompa) e Piano. Vicente Fonseca enviou e-mail para a sua prima Aita, com a partitura musical e a gravação midi e mp3, em execução simulada por computador. Dela recebeu uma mensagem emocionante, onde confessa que chegou às lágrimas ao ouvir a valsa que lhe foi dedicada pelo maestro Isoca. Aita é neta de Vicente Malheiros da Silva e descendente dos confederados norte-americanos, por parte de sua avó materna Eula Hennington Malheiros, ambos falecidos.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *