Barcos regionais a motor, veleiros, vigilengas, rabetas, bajaras, canoas ubás, igarités, catraias, botes fazem parte da memória afetiva, produtiva e econômica parauara, navegando pelo oceano Atlântico, baías, rios que mais parecem mares, lagos, igarapés, furos, estreitos, igapós e campos alagados…

Embora o Quartel Tiradentes esteja localizado no coração do bairro do Reduto, sediando o 2º BPM e duas Companhias da Polícia Militar do Pará, os meliantes parecem desafiar abertamente os policiais. Os assaltos no bairro continuam muito frequentes, principalmente no…

Douglas da Costa Rodrigues Junior, estudante de Letras - Língua Portuguesa da Universidade Federal do Pará e bolsista do Museu Paraense Emílio Goeldi, ganhou a 18ª edição do Prêmio Destaque na Iniciação Científica e Tecnológica na área de Ciências Humanas…

O Ministério Público do Trabalho PA-AP abrirá na segunda-feira inscrições para Estágio de Nível Superior. A seleção será destinada ao preenchimento de vagas e formação do quadro de reserva de estagiários dos cursos de Administração/Gestão Pública, Biblioteconomia, Direito, Jornalismo, Publicidade/Propaganda…

Um puxirum a ser copiado

A vila da Praia das Flores, em Juruti, no oeste do Pará, vai experimentar um projeto de olericultura eminentemente amazônida. Agora em agosto, oito famílias de pescadores artesanais serão contempladas com liberação do crédito rural em montante estimado em R$ 128 mil, a fim de produzir, com a ajuda do Governo do Estado, em um processo de irrigação móvel – com a transposição de água do rio Amazonas para áreas de plantio em várzea alta, tecnologia desenvolvida pela Sagri -, milho, melancia, jerimum, quiabo, maxixe e macaxeira precoce (as que duram seis meses em média). As famílias participam de todo o processo, em ‘puxirum’ (palavra nheengatu que significa cooperação, mutirão).
Os projetos produtivos que serão internalizados no Banco do Brasil são de R$ 16 mil cada, sendo R$9 mil para investimento e R$7 mil para custeio, financiados por meio do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf), na linha Mais Alimentos. Em 45 dias do início efetivo já é possível colher os primeiros pés de alface e couve. Com 120 dias, por exemplo, a abóbora. Está aí um bom modelo a ser copiado.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *