A expectativa era grande em relação à ida do governador Helder Barbalho à Assembleia Legislativa para a leitura da Mensagem na instalação da 61ª Legislatura. Funcionou como uma espécie de termômetro da Casa, que abriga novos deputados na oposição, e…

Foram empossados hoje na Assembleia Legislativa do Pará os 41 deputados estaduais eleitos para a 61ª Legislatura (2023-2027). Em seguida houve eleição para a Presidência e a Mesa Diretora, em chapa única, tendo sido reeleito praticamente à unanimidade – por…

O governador Helder Barbalho está soltando a conta-gotas os nomes dos escolhidos para compor o primeiro escalão de seu segundo governo. Nesta quarta-feira será a posse dos deputados estaduais e federais e dos senadores, e a eleição para a Mesa…

Pela primeira vez na história, está em curso  um movimento conjunto da Academia Paraense de Letras, Academia Paraense de Jornalismo, Instituto Histórico e Geográfico do Pará e Academia Paraense de Letras Jurídicas, exposto em ofício ao governador Helder Barbalho, propondo…

TP & WH, ícones parauaras

Foto: Agência Pará
Foto: Elza Lima

Foto: arquivo de divulgação

Nesta terça-feira, 15, o Theatro da Paz completa 133 anos e seria o 106° aniversário do genial Waldemar Henrique, extraordinária simbiose musical entre a casa e o artista, que nasceram no mesmo dia. A data será celebrada com um recital, às 20h, com entrada franca. No repertório, composições do maestro, interpretadas por Patrícia Oliveira e Carmen Monarcha. Ao piano, Ana Maria Haddad.
O Theatro da Paz é símbolo da Belle Époque e marco histórico e arquitetônico de Belém, e já recebeu o compositor de Carlos Gomes e o Ballet Kirov. Fundado no período áureo do Ciclo da Borracha, na época o governo da Província contratou o engenheiro militar José Tibúrcio de Magalhães para dar início ao projeto arquitetônico inspirado no Teatro Scalla de Milão (Itália), com decoração e pintura dos italianos Domenico D’Angelis e Capranezi.
Waldemar Henrique deixou legado artístico que vai do popular ao erudito, impregnado de motivos amazônicos. Filho de descendente de portugueses e de uma índia, ainda na infância viajou pelo interior da Amazônia, absorvendo elementos da cultura e do folclore, influências decisivas na sua obra musical. No Rio de Janeiro, trabalhou em teatros, cassinos e emissoras de rádio. Em 1966 voltou ao Pará e dirigiu, durante 15 anos, o Theatro da Paz, que foi sua morada até seu último dia de vida.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *