Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

Na quarta-feira passada, dia 24, a audiência pública na Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara Federal, em Brasília, era para discutir a gravíssima situação na Terra Indígena Yanomami, mas o clima de enfrentamento entre bolsonaristas e lulistas inviabilizou…

O prefeito Edmilson Rodrigues anunciou que Belém tem condições de fazer o Carnaval 2022, após reunião hoje (25) à tarde com representantes das escolas de samba e blocos carnavalescos. Ele acredita que com mais de 80% de pessoas vacinadas contra…

Em 17 de dezembro de 1999, a Assembleia Geral das Nações Unidas designou o 25 de novembro Dia Internacional da Eliminação da Violência contra a Mulher. Passados 22 anos, os dados do 14° Anuário Brasileiro de Segurança Pública são aterrorizantes: por…

TP & WH, ícones parauaras

Foto: Agência Pará
Foto: Elza Lima

Foto: arquivo de divulgação

Nesta terça-feira, 15, o Theatro da Paz completa 133 anos e seria o 106° aniversário do genial Waldemar Henrique, extraordinária simbiose musical entre a casa e o artista, que nasceram no mesmo dia. A data será celebrada com um recital, às 20h, com entrada franca. No repertório, composições do maestro, interpretadas por Patrícia Oliveira e Carmen Monarcha. Ao piano, Ana Maria Haddad.
O Theatro da Paz é símbolo da Belle Époque e marco histórico e arquitetônico de Belém, e já recebeu o compositor de Carlos Gomes e o Ballet Kirov. Fundado no período áureo do Ciclo da Borracha, na época o governo da Província contratou o engenheiro militar José Tibúrcio de Magalhães para dar início ao projeto arquitetônico inspirado no Teatro Scalla de Milão (Itália), com decoração e pintura dos italianos Domenico D’Angelis e Capranezi.
Waldemar Henrique deixou legado artístico que vai do popular ao erudito, impregnado de motivos amazônicos. Filho de descendente de portugueses e de uma índia, ainda na infância viajou pelo interior da Amazônia, absorvendo elementos da cultura e do folclore, influências decisivas na sua obra musical. No Rio de Janeiro, trabalhou em teatros, cassinos e emissoras de rádio. Em 1966 voltou ao Pará e dirigiu, durante 15 anos, o Theatro da Paz, que foi sua morada até seu último dia de vida.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *