Lançamentos literários, apresentações de teatro, oficinas voltadas para as culturas pop e japonesa, arrecadação de livros, atividades pedagógicas e lúdicas direcionadas ao público infantil, entre outras ações, estão no cardápio de cultura e arte servido aos visitantes do estande da…

O procurador do Ministério Público do Trabalho Sandoval Alves da Silva tomou posse na chefia da Procuradoria Regional do Trabalho da 8ª Região para o biênio de 2021-2023 enfatizando o papel decisivo do MPT na garantia dos direitos humanos. O…

Prevaleceu o bom senso e o cuidado com as pessoas. O prefeito Edmilson Rodrigues ouviu o secretário municipal de Saúde, Maurício Bezerra, e técnicos responsáveis pela vacinação e enfrentamento à Covid-19, e cancelou os desfiles das escolas de samba, blocos…

Começou hoje (27) às 8h e segue até às 17h a votação nas prévias do PSDB para escolher seu candidato à Presidência da República. O resultado, se tudo correr bem, deve ser anunciado às 20h. O partido passou a semana…

Tipo assim… folhetim

E eu, lá. Morador de Belém, caboco de Altamira, da beira do Rio Xingu, tirando uma onda de carioca. Pegando uma praia.


A língua que se falava por lá era uma outra, parecida com a nossa, mas cheia de bossa, na entonação e no maneirismo, assim como que apocopada e chiada, cheia de reticências. As frases não terminavam e ninguém perguntava. Parece que todo mundo entendia. Nunca soube se era erudição, forma superior do vernáculo, telepatia, ou preguiça e escassez de vocabulário. De qualquer maneira, soava muito falso. Carioquês. Eles achavam que era sofisticado, pois sim.


Nessa, eu não embarquei. Já pensou o cabocão de Altamira chegar a Belém com esse papo? Levava samba, quando não, muita dedada.


Algumas moçoilas, novo-ricas, passavam uma temporada no Rio e voltavam exímias no patuá de Copacabana. Imediatamente eram apelidadas de “as falséricas”. Queria conhecer uma falsérica era só pedir para ela dizer: menta. Se dissesse “mienta”, pronto, era!


No Pará era diferente. Sempre foi. O Rio permeou o Sul muito mais do que o Norte. Capital do Império, da República, centro das decisões, sonhou ser Paris, Nova Iorque. Ficou em Miami. O Pará, isolado, sem estradas e apenas um navio misto de carga e passageiros por mês, contentava-se com a língua portuguesa mesclada com o nheengatu. Uma tal Língua Geral sistematizada pelos jesuítas. Até conhecer o Sul Maravilha eu achava que o nosso linguajar era bem bonitinho. Axi, porcaria.


Sempre fui de corriola. Mesmo nas poucas estadas no Rio fiz muitos amigos por lá. Diferentes, já se disse, de Belém. Eles lá achavam que eu inventava os nomes dos amigos de Belém, que tinha uma imaginação fértil: Afolemado, Lulu Burilança, Tojal, Baratinha, Passarinho, Sadala, Sadeck, Cabidela, Pingarilho, Cara de Vaca e Salame.


Os do Rio: Bob, Denis, Baby, Billi, Ronnie, Bubby, Tony, Ray. Diminutivos inglesados.


No Pará, Antonio é Tonico, no Rio é Tony, quando não, Anthony. Raimundo ou Raimunda são, por aqui, Mundico, Mundinho, Mundica, Dico, Dica, Diquinho, Mundoca. Maria é Maroca, Maroquinha. José é Zé, Zeca, Zecão, Zefa, Zefinha. No Rio virou Jô. Se o Billi Blanco (William Blanco de Abrunhosa Trindade, compositor paraense, ícone da bossa-nova) tivesse ficado por aqui teria sido
Abrunhosa. Talvez até Bronha.”


(Aperitivo da crônica “Adorável Sacana“, de André Costa Nunes, velho comunista, cavaleiro andante da Amazônia, marketeiro, escritor, blogueiro e tremendo boa-praça, no seu Tipo Assim… Folhetim. Vão lá para ler o texto na íntegra.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *