O Papa Francisco nomeou o atual bispo da prelazia de Marajó (PA), Dom Evaristo Pascoal Spengler, bispo de Roraima (RR), que estava sem titular há um ano, desde a transferência de Dom Mário Antônio da Silva para a arquidiocese de…

Utilizar o futebol como ferramenta de transformação social para crianças e adolescentes de todo o Pará é o objetivo do projeto "Futebol Formando Cidadão", que será lançado neste domingo (29) no oeste paraense. A iniciativa é do Tapajós Futebol Clube,…

No próximo sábado, 28, é o Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo. Esta semana, foram divulgados dados da Secretaria de Inspeção do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) referente a 2022, quando foram resgatados 2.575 trabalhadores em condições análogas…

Quase todo mundo já caiu na tentação de comer ou beber além do necessário, mas a data, 26 de janeiro, foi criada a fim de conscientizar a população sobre os perigos que a compulsão alimentar oferece à saúde. Neste ano,…

Tempo em Recortes no Museu da UFPA

 “Belém do Pará”, de Joseph León Righini
 “La Sirène”, de Denys Puech
Obra de Ruy Meira
Continua até o dia 28 de fevereiro a exposição Tempo em Recortes, com doze obras produzidas até 1980, ilustrativas da arte preservada e difundida no acervo do Museu da UFPA, que, este ano, completa 30 anos de funcionamento.
A mostra tem obras de Joseph Leon Righini, Theodoro Braga, Antonieta Feio, Benedito Mello e de outros importantes artistas, nascidos no Pará ou com forte ligação com o Estado. Com 
curadoria da professora Jussara Derenji, diretora do MUFPA, a exposição Tempo em Recortes é uma parceria com a Editora da UFPA. 

A obra do italiano Joseph León Righini, considerado o maior paisagista da Amazônia no século XIX, homenageia Belém no mês de seu aniversário e demonstra a riqueza do acervo da instituição. Seu óleo sobre tela “Belém do Pará”, de 1868, medindo 105 x 210 cm, é a pintura exposta em museu brasileiro que traz o mais antigo registro da cidade. Autor de pinturas, desenhos e aquarelas, chegou ao Brasil como cenógrafo. Durante as quase três décadas em que aqui viveu, a maior parte em Belém, foi também professor de Desenho, gravador e fotógrafo, e dedicou grande parte de sua longa estada na região ao registro de cenas urbanas e, de forma pioneira, da natureza ao seu redor. A obra tem uma história curiosa: pertenceu ao Imperador D. Pedro II, que presenteou à sobrinha Francisca de Orléans, por seu casamento com o Duque de Chartres, na França. Décadas depois, o quadro seria comprado em Paris e trazido a Belém, em 1965, para integrar o acervo da UFPA. Joseph León Righini morreu em Belém, em 1884, na Santa Casa, em situação de miséria. Seus bens foram leiloados em hasta pública no Pará. A divulgação de sua obra cumpre também a função de resgatar a memória do artista. 

Outro destaque da exposição é a escultura “La Sirène”, de Denys Puech, que também é o símbolo do Museu da UFPA, e a tela “Heróis do Rio Formoso”, 1939-1940, de Theodoro Braga, que precisou passar por minucioso restauro antes de compor a mostra. 

Antonieta Feio, com “Retrato de Mulher”, e Carmen Sousa, com a escultura premiada “Cabeça de Negra Paula”, consideradas personalidades femininas mais importantes dos anos 1930-50 nas artes paraenses, também pontificam na mostra. Há, ainda, trabalhos preciosos de Armando Balloni, Augusto Morbach, Benedicto Mello, Carmen Sousa, Manoel Pastana, Ruy Meira e Valdir Sarubbi, todos do acervo do MUFPA. 

A visitação é de terça a sexta, das 9h às 17h; no sábado e domingo, das 10h às 14h.
O Museu da UFPA fica na Av. Governador José Malcher, nº 1192, bairro de Nazaré, em Belém.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *