0

Uma das principais testemunhas de acusação contra o fazendeiro Regivaldo Pereira Galvão, o Taradão, acusado de mandante do assassinato da irmã Dorothy Stang, sofreu atentado a tiros na quinta, 26, por volta de 21:00h, no município de Anapu, duas horas depois de ter sido intimado pela Justiça como testemunha de acusação a respeito de fraudes, uso de laranjas e falsificação de documentos para ocultar a grilagem do lote 55 – palco de sangrentos conflitos agrários e onde Dorothy foi assassinada. Mesmo baleado nas pernas, na cabeça e na boca, Roniery Bezerra Lopes não morreu, e está em estado grave, internado em um hospital não informado, por medida de segurança.

Na época de seu julgamento, Taradão alegou que não tinha vínculo com o lote 55. Mas em 2008 passou a dizer que era dono do lote e, de lá para cá, foram muitas as suas versões sobre a aquisição da terra, o que levou a novo inquérito da Polícia Federal, em que ficou comprovada a falsificação dos documentos. Roniery, como empregado de Taradão, participava das negociações envolvendo a área.

A Irmã Jane Dwyer, missionária norte-americana da mesma congregação da irmã Dorothy, contou que “foram muitos disparos, afetando inclusive a espinha. Quanto ao tiro na boca, é uma prática comum daqui para passar uma mensagem clara a quem faz denúncias”. Roniery estava acompanhado da mulher – que foi baleada mas escapou com vida -, e filho – a criança correu para o mato e conseguiu fugir -.

Franssinete Florenzano
Jornalista e advogada, presidente da Academia Paraense de Jornalismo, membro da Academia Paraense de Letras, do Instituto Histórico e Geográfico do Pará, da Associação Brasileira de Jornalistas de Turismo e do Instituto Histórico e Geográfico do Tapajós, editora geral do portal Uruá-Tapera e consultora da Alepa. Filiada ao Sinjor Pará, à Fenaj e à Fij.

Mensalão do DEM

Anterior

Gravação de Arruda

Próximo

Vocë pode gostar

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *