Vanete Oliveira, 28 anos, mãe de cinco filhos, vive em Portel, município do arquipélago do Marajó(PA). Ela sofre há catorze anos dores atrozes além do desconforto, trauma e todo tipo de dor física e psicológica, por conta de um tumor…

As Diretorias de Combate à Corrupção e de Polícia do Interior da Polícia Civil do Pará prenderam hoje (28), no Distrito Federal, durante a Operação "Litania”, uma falsa empresária e sócios-proprietários que utilizavam empresa de fachada como instituição financeira para…

A Secretaria de Estado da Fazenda do Pará publicou extrato de dispensa de licitação para contratar a Prodepa, por R$800.427,88, a fim de desenvolver novo site da Transparência do Governo do Pará, com criação de nova arquitetura de informação, navegação…

Andar de motocicleta proporciona histórias, experiências e adrenalina. Motos oferecem facilidade de locomoção rápida e de conseguir estacionamento. Mas a liberdade é, sem dúvida, o motivo número 1 de todo motociclista. Sentir o vento, o clima, fazer parte da paisagem. Este é…

Temer continua presidente

Nada de novo há no rugir da tempestade, já dizia Maiakovski. Que, aliás, Dilma recitou em seu desfecho. Como já se previa, a Câmara dos Deputados rejeitou há pouco a denúncia contra o presidente Michel Temer. O voto de número 172 foi da deputada Rosângela Gomes (PRB-RJ). Mas antes do voto dela o governo já tinha conseguido matematicamente barrar a denúncia, considerando a soma dos votos a favor do parecer da Comissão de Constituição e Justiça (contrário à admissibilidade da denúncia), ausências (13) e abstenções (1).
Isto porque no mínimo teriam que ser 342 votos contra o parecer do deputado Paulo Abi-Ackel (PSDB-MG) para autorizar o Supremo Tribunal Federal a investigar o presidente. Agora, a denúncia só pode ser retomada depois que Temer deixar a Presidência da República. 
O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, vai comunicar ao STF o resultado.


Desde as 9h, a oposição requereu cinco vezes o adiamento da votação, sem êxito. Cinco deputados da oposição protocolaram no Supremo um mandado de segurança pedindo liminar que garantisse a manifestação do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, no plenário. A ministra Rosa Weber indeferiu. Para variar, a votação foi marcada por troca de insultos entre governistas e oposicionistas e tumultos protagonizados pelo notório deputado federal Wladimir Costa.


Cliquem aqui e vejam como cada deputado votou.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *