A Prefeitura de Belém está convidando os moradores da Cidade Velha à Consulta Pública sobre a reforma e revitalização do prédio ao lado da Igreja da Sé, onde por muito tempo funcionou a Fundação Cultural do Município de Belém (Fumbel).…

As eleições de 2022 coincidem com o bicentenário da Independência e os 90 anos de conquista do direito do voto feminino, ocorrida em 24 de fevereiro de 1932. Durante todo o Império, as brasileiras não puderam votar e somente 43…

O Ecomuseu da Amazônia, da Fundação Escola Bosque (Funbosque) promoveu no domingo, 25, na Ilha de Cotijuba, o roteiro patrimonial, pelo encerramento da 16ª Primavera dos Museus. Os visitantes conheceram o pólo do Ecomuseu, a história de Cotijuba, que passa…

A prefeitura de Portel, em parceria com a Secretaria de Estado de Desenvolvimento Agropecuário e da Pesca, lançou na sexta-feira passada (23) o projeto Marajó Sustentável, aliado ao Programa de Desenvolvimento da Cadeia Produtiva da Seringueira no Estado do Pará…

TCU tem que regulamentar lei Kandir

Em 30 de novembro do ano passado, o Supremo Tribunal Federal julgou procedente Ação Direta de Inconstitucionalidade por Omissão, ajuizada pelo governo do Pará com a participação de outros 15 Estados, e deu prazo de 12 meses para o Congresso Nacional editar lei complementar regulamentando repasses da União para os Estados e o Distrito Federal em decorrência da desoneração do ICMS feita pela Lei Kandir. Esgotado o prazo, caberia ao Tribunal de Contas da União fixar regras e calcular as cotas de cada um. Acontece que não foi cumprida a determinação e agora o Congresso alega que o prazo só começou a contar na data da publicação do acórdão do STF, em agosto de 2017. Resultado: prorrogaram por mais 120 dias uma situação que já dura vinte anos e em razão da qual o Pará perdeu cerca de R$40 bilhões. 

O presidente da Alepa, deputado Márcio Miranda, está liderando um movimento no sentido de que o TCU assuma a responsabilidade e ponha um fim aos suplício dos Estados exportadores, evidenciando que o pacto federativo não funciona e é um golpe de morte nos municípios. Só em 2016, por causa da Lei Kandir o Pará deixou de arrecadar mais de R$3,1 bilhões, valor similar ao que investe em educação e superior ao montante anual que direciona às áreas de saúde e segurança. Mais: a compensação tem sido menos que 10% da perda. 

Em 13 de setembro de 1996 foi sancionada a lei complementar nº 87 – a Lei Kandir -, criada com o fim de isentar do ICMS produtos primários e semielaborados, ou seja, não industrializados. A União se comprometeu a compensar prejuízos e até 2003 repassava aos Estados valor fixo. No entanto, a partir de 2004 o dinheiro passou a ser negociado ano a ano com os governadores. Isto porque foi definido no artigo 91 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias que o montante deveria ser definido em lei complementar, o que nunca se concretizou, mesmo depois de duas décadas de justo clamor. 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *