0

Há cerca de meia hora, acabou o julgamento de Regivaldo Galvão, o Taradão, que durou 16 horas e resultou na aplicação da pena de trinta anos de prisão, em regime fechado, por ser um dos mandantes do homicídio da missionária Dorothy Stang, praticado com sob promessa de recompensa, motivo torpe e uso de meios que impossibilitaram a defesa da vítima, pessoa idosa, tese defendida pela acusação, sob a responsabilidade do promotor de Justiça Edson Augusto Cardoso de Souza. A defesa, claro, vai apelar.

Franssinete Florenzano
Jornalista e advogada, membro da Academia Paraense de Jornalismo, da Academia Paraense de Letras, do Instituto Histórico e Geográfico do Pará, da Associação Brasileira de Jornalistas de Turismo e do Instituto Histórico e Geográfico do Tapajós, editora geral do portal Uruá-Tapera e consultora da Alepa. Filiada ao Sinjor Pará, à Fenaj e à Fij.

Zenaldo X Giovanni

Anterior

Pantomima no Tribunal do Júri

Próximo

Vocë pode gostar

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *