O catamarã Bom Jesus IV, que faz o trecho Belém-Ponta de Pedras, no arquipélago do Marajó, naufragou hoje por volta de 17h, em frente a Vila do Conde. O casco rachou, entrou água na embarcação, que adernou e começou logo…

O empresário e político Carlito Begot, ex-vice-prefeito de Ananindeua(PA), protagonizou cena chocante no condomínio Lago Azul, reduto de endinheirados, na noite do domingo passado, 23, em um píer destinado à pesca “pesque-e-solte”. Um grupo fisgou um pirarucu com cerca de…

A alteração da turbidez do rio Tapajós resulta de, ao menos, duas fontes sedimentares distintas: o rio Amazonas e a atividade garimpeira no médio e alto Tapajós, além de usos da terra que causam desmatamento e exposição do solo. Apenas…

A promotora de justiça Ângela Maria Balieiro Queiroz, pelo Ministério Público do Estado, e o procurador Patrick Bezerra, do Ministério Público de Contas do Pará, acompanharão a contratação da obra de reconstrução da ponte Enéas Pinheiro, que interliga os distritos…

SOS Marajó

O isolamento do arquipélago do Marajó foi denunciado através de Moção da Frente Parlamentar Pró-Hidrovias do Pará, apelando a Lula e a Ana Júlia no sentido da adoção de providências urgentes para desembaraçar a implantação da hidrovia do Marajó em sua plenitude. Os deputados Luis Cunha, presidente da Frente, Alexandre Von, vice-presidente, e Gabriel Guerreiro, relator, defendem um novo modelo de desenvolvimento, tendo como alicerce o ordenamento territorial e fundiário e, como pilares, investimentos em infra-estrutura e em tecnologia, condições básicas para viabilizar atividades dinâmicas e inovadoras que gerem melhor qualidade de vida, com o uso sustentável dos recursos naturais e a preservação do meio-ambiente. Os deputados destacam que, sobretudo, deve-se pôr um fim às práticas de aviamento, trabalho infantil, exploração sexual de menores e tráfico de mulheres. No Marajó, que tem 418.160 habitantes, 35.670 famílias vivem abaixo da linha de pobreza. Há concentração da renda, elevada mortalidade infantil, desnutrição e óbitos por doenças parasitárias. Some-se a isso enorme carência de saneamento, serviços de saúde pública, escolaridade, opções culturais e péssimas condições de moradia. Luis Cunha pediu providências para o quadro gravíssimo de casos de malária e chamou a atenção para o fato de que a água consumida pela população é do próprio rio, que serve também como depósito de dejetos fecais.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *