A sessão da Asembleia Legislativa do Pará, hoje, foi inviabilizada pela ausência de dois terços dos deputados e deputadas. No horário destinado à discussão e votação de projetos, como só onze deputados estavam presentes no plenário, o presidente da Alepa,…

A Assembleia Legislativa aprovou hoje a criação da Secretaria de Estado das Cidades e Integração Regional, oriunda do desmembramento de parte das atribuições da Sedop – Secretaria de estado de Obras Públicas. Em sua Mensagem endereçada ao presidente da Alepa,…

O seccionamento dos leitos das PA-252 (entre Acará e Moju), PA-150 (entre Goianésia do Pará e Tailândia) e PA-481 (Barcarena), em razão das fortes chuvas e da cheia de rios próximos, que romperam os bueiros, partindo o asfalto completamente nesses…

O prefeito Edmilson Rodrigues está fazendo uma mini reforma administrativa. Depois da nomeação da ex-deputada e educadora Araceli Lemos para a Secretaria Municipal de Educação, ele nomeou Inês Silveira, que chefiava o Cerimonial do Gabinete do Prefeito, para a presidência…

Sistema falido

Alguém precisa levar realmente a sério a superpopulação carcerária no Brasil. Há meio milhão de presos, somando os condenados dos regimes fechado, semi-aberto e parte do aberto, além dos presos provisórios. 
Do total oficial de 498.487 (já defasado), 277.601 são presos condenados e 220.886 provisórios, o que equivale a uma taxa de encarceramento de 260 para cada grupo de 100 mil habitantes.
O déficit é de 197.872 vagas, o que remete à necessidade de 396 estabelecimentos penais com capacidade para 500 presos, cada um, para acomodar todos os presos do Sistema. A população carcerária no Brasil cresceu espantosos 41,05% no período de 2005  a  2010. Os dados estão em relatório do Conselho Nacional de Justiça.
A continuar nesse ritmo, daqui a mais uma década a maioria absoluta dos brasileiros estará presa. Como é fácil perceber, não adianta construir mais presídios, isso só alimenta um sistema corrupto e ineficiente.
Algo está errado – e muito – quando um preso custa, em média, R$ 2 mil mensais, gastos com manutenção do presídio, como água, luz, telefone, salário dos agentes penitenciários, escolta, psicólogos, administrativos, mais alimentação e roupas dos detentos.

Isto sem adicionar as despesas com o poder Judiciário, que elevaria o custo do réu preso para mais de R$ 5 mil mensais. É um valor altíssimo considerando que a maioria fica dia e noite sem trabalhar e volta – e até se aperfeiçoa – para o crime.
O sistema prisional brasileiro está irremediavelmente falido. Além de não trazer retorno à sociedade, não impede que quem está preso coordene crimes aqui fora.
Enquanto isso, o custo anual por aluno na Educação Básica  é de R$ 2.632. Uma vergonha.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *