O procurador do Ministério Público do Trabalho Sandoval Alves da Silva tomou posse na chefia da Procuradoria Regional do Trabalho da 8ª Região para o biênio de 2021-2023 enfatizando o papel decisivo do MPT na garantia dos direitos humanos. O…

Prevaleceu o bom senso e o cuidado com as pessoas. O prefeito Edmilson Rodrigues ouviu o secretário municipal de Saúde, Maurício Bezerra, e técnicos responsáveis pela vacinação e enfrentamento à Covid-19, e cancelou os desfiles das escolas de samba, blocos…

Começou hoje (27) às 8h e segue até às 17h a votação nas prévias do PSDB para escolher seu candidato à Presidência da República. O resultado, se tudo correr bem, deve ser anunciado às 20h. O partido passou a semana…

Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

Sindmepa vai ao MPF contra HUJBB

Vinte corajosos médicos residentes no Hospital Universitário João de Barros Barreto foram hoje
de manhã à sede do Sindicato dos Médicos do Estado do Pará denunciar o drama na
instituição, que vem padecendo com a falta crônica de remédios e materiais
básicos para o atendimento. Faltam antibióticos, anticoagulantes, analgésicos e
até soro fisiológico. Muitos procedimentos cirúrgicos já foram desmarcados por
falta de compressas e luvas. Só ontem, sete cirurgias tiveram que ser adiadas
por falta de água, além de problemas nas instalações elétricas. Várias mortes
de pacientes poderiam ter sido evitadas “se estivessem disponíveis
medicamentos, equipamentos e condições de trabalho adequadas”.
Além
de levar o caso às autoridades de saúde, o Sindmepa orientou os residentes a
registrarem diariamente os problemas no prontuário e no livro de ocorrências
médicas e, se necessário, BO em uma delegacia de polícia, para evitar que sejam
responsabilizados por óbitos devidos à falta de estrutura no hospital.
       
O Sindmepa
também vai representar ao Ministério Público Federal, levar o caso ao Conselho
Estadual das Entidades Médicas do Pará e ao Conselho Estadual de Saúde, com
pedido de audiência pública.  E tentar
audiência com a direção geral do HUJBB para buscar solução aos problemas que
estiverem ao seu alcance imediato, além de   realizar Assembleia
Geral dos médicos que trabalham lá.

Com toda
essa tragédia denunciada em detalhes, com fotografias e vídeos, além dos depoimentos
dos médicos, servidores e famílias dos pacientes, o diretor do hospital,
Eduardo Leitão, insiste em desmentir os fatos. É preciso que o reitor da UFPA
tome providências urgentes, as falhas de gestão são gritantes. Quantos mais
terão que morrer até que algo seja feito?

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *