O procurador do Ministério Público do Trabalho Sandoval Alves da Silva tomou posse na chefia da Procuradoria Regional do Trabalho da 8ª Região para o biênio de 2021-2023 enfatizando o papel decisivo do MPT na garantia dos direitos humanos. O…

Prevaleceu o bom senso e o cuidado com as pessoas. O prefeito Edmilson Rodrigues ouviu o secretário municipal de Saúde, Maurício Bezerra, e técnicos responsáveis pela vacinação e enfrentamento à Covid-19, e cancelou os desfiles das escolas de samba, blocos…

Começou hoje (27) às 8h e segue até às 17h a votação nas prévias do PSDB para escolher seu candidato à Presidência da República. O resultado, se tudo correr bem, deve ser anunciado às 20h. O partido passou a semana…

Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

Salomão Habib fala de Tó Teixeira

O violonista Salomão Habib, autor do livro “Tó Teixeira, a Música e o Tempo”, é o convidado da edição deste mês do projeto “Roda de Memória”, no próximo dia 17, às 18:30, na Sala das Artes do Museu do Estado do Pará (MEP). Durante mais de duas décadas, Habib pesquisou e conseguiu catalogar as cerca de 600 peças deixadas por Tó Teixeira. O trabalho resultou em três CDs, um livro, um songbook e um vídeo de 52 minutos, lançados em 2003, além do LP “Música e Memória Salomão Habib interpreta Tó Teixeira”, de 1991. O depoimento de Salomão Habib será mediado pelo professor Paulo Assunção e o poeta João de Jesus Paes Loureiro, que escreveu o prefácio do livro “Tó Teixeira – O Poeta do Violão”. 

Antônio Teixeira do Nascimento Filho nasceu no dia 13 de junho de 1893, em Belém, filho de descendentes de escravos. Desde cedo se encantou pela música, virou professor e um dos mais festejados violonistas de sua época. Ainda assim, trabalhava em uma oficina de encadernação de livros para sobreviver. As músicas eram escritas nos papéis que utilizava para embrulhar os livros. Tó Teixeira ensaiava na própria casa, localizada no bairro do Umarizal, em Belém. No quintal, reunia amigos que cantavam, se divertiam e faziam músicas. Compôs centenas de peças, inclusive carimbós, ladainhas e sambas. Sua criatividade e a forma de levar a música erudita ao violão sempre chamaram a atenção dos apaixonados pela música. Mas o talento não foi suficiente para o reconhecimento. Tó morreu pobre, em 29 de outubro de 1982, com poucos registros de sua vida e obra. 

O projeto Roda de Memória é promovido pelo Governo do Pará, via Secretaria de Estado de Cultura, Sistema Integrado de Museus e Museu do Estado do Pará. A entrada é gratuita, aproveitem.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *