A juíza Sara Augusta Pereira de Oliveira Medeiros, titular da 3ª Vara Cível, Infância e Juventude, Órfãos, Interditos e Ausentes de Castanhal (PA) exarou uma sentença emblemática, em plena Semana da Pessoa com Deficiência: obrigou a Escola Professor Antônio Leite…

Observando que é irracional o deslocamento de grande quantidade de pacientes em busca de tratamento, o Ministério Público do Pará ajuizou Ação Civil Pública contra o Estado do Pará e o Município de Marabá, para a criação de Unidade de…

O governador Helder Barbalho sanciona hoje à noite, em cerimônia no auditório do Centur, o 'Vale Gás' e o 'Água Pará', destinados a famílias de baixa renda ou em situação de vulnerabilidade social. Ambos serão gerenciados e fiscalizados pela Secretaria…

Ciclistas liderados pelo grupo Pedal Mulher Nota 100, com apoio de alunos e voluntários da Universidade Federal do Pará e da Academia Paraense de Jornalismo, realizarão uma performance, nesta quinta-feira (23), das 8h às 10h, a fim de chamar a…

Recursos minerais

O ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, e o governador do Pará, Simão Jatene, ficaram de participar, agora à tarde, nas comissões de Assuntos Econômicos e de Serviços de Infraestrutura do Senado, de audiência pública para tratar da mudança no procedimento de cobrança da Compensação Financeira pela Exploração de Recursos Minerais. 
Também será discutido o projeto de lei nº 1/11, que altera as regras de cobrança da CFEM, de autoria do senador Flexa Ribeiro(PSDB-PA). O relator, senador Aécio Neves (PSDB-MG), apresentou substitutivo. Basicamente, aumenta de 2% para até 5% a alíquota máxima da CFEM e prevê a incidência do tributo sobre o faturamento bruto e não sobre o faturamento líquido, como é hoje. Para a formação da base de cálculo da compensação, o projeto também equipara à venda o consumo ou a utilização do minério como insumo da mineradora.
Com o substitutivo, Aécio quer tornar a arrecadação com a exploração mineral mais próxima dos valores dos royalties do petróleo, argumentando que as diferenças entre os dois setores não justificam a disparidade no volume de recursos gerados a título de compensação pela exploração dessas riquezas naturais.
O relator também alterou os percentuais de rateio dos recursos: de 23% para 30% a parcela destinada a Estados e ao Distrito Federal; e de 65% para 50% a parte dos municípios, mantendo os 12% da União, com 8% para a constituição de um fundo especial, a ser distribuído entre todos os municípios do estado arrecadador.
O projeto também cria participação especial na exploração mineral, aplicando sobre a mesma base de cálculo da CFEM alíquotas que variam de 1% a 2,5%.
Pelo substitutivo, União, Estados e o Distrito Federal terão competência para fiscalizar e cobrar a CFEM e a participação especial do minério. Fica preservada a competência do DNPM em relação às parcelas da União, com permissão para celebrar convênios para adoção de sistemas de fiscalização e cobrança unificados.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *