Em reunião conjunta das Comissões de Fiscalização Financeira e Orçamentária (CFFO) e de Constituição e Justiça (CCJ) da Assembleia Legislativa, nesta segunda-feira (18) foi aprovado o projeto de lei nº 363/2021, que autoriza o Governo do Pará a contratar operação…

Não houve o célebre círio fluvial de Oriximiná no rio Trombetas este ano, por causa da pandemia, mas a imagem de Santo Antônio flanou pelas águas, levada pela comunidade de várzea do Rio Cachoeiry, que celebrou o verão depois da…

Aprender mais sobre as boas práticas Lixo Zero e como aplicá-las no dia a dia, repensando hábitos de consumo e inspirando a população a enxergar os seus resíduos com dignidade é o que propõe a programação que acontecerá entre os…

Aprovado à unanimidade pela Assembleia Legislativa, o projeto de lei nº 245/2021, de autoria do Poder Executivo, dispondo sobre a denominação do Arquivo Público do Estado do Pará, em homenagem ao jurista e professor paraense Zeno Augusto de Bastos Veloso,…

A “Raquelina” que ninguém contou

Quando Raquel Peluso esteve em Belém em 1997, no Núcleo de Artes da UFPA, para o lançamento de um CD, foi apresentada a música “Raquelina” com letra do JJ Paes Loureiro e música de José Agostinho da Fonseca. Quem cantou foi o santareno Paulo Ivan de Faria Campos, que recebera um telefonema de Vicente Malheiros da Fonseca, no meio da tarde do dia anterior ao evento, pedindo que cantasse a tal música para Raquel Peluso. Paulo Ivan argumentou que não conhecia a composição e seria muito difícil aprendê-la para cantar no dia seguinte. Mas Vicente o convenceu dizendo que poderia ensiná-la naquele mesmo momento, via telefone. Então Paulo Ivan conseguiu gravar, com péssima qualidade, num gravador portátil, o canto de Vicente Malheiros. Ao chegar em casa na noite daquele dia (véspera do evento), Paulo Ivan pegou seu violão e começou a ensaiar, ligando vez por outra para tirar as dúvidas. No dia seguinte foi trabalhar normalmente, sempre cantarolando a “Raquelina”. No meio da tarde saiu às pressas, para pegar a balsa que o levaria a Belém (é gerente de Relações Externas da Albras, no município de Barcarena, e na época não existia a Alça Viária). Chegou ao local do evento preocupadíssimo porque não estava nem um pouco seguro do aprendizado, e teria que cantar para uma pessoa que era dona de um Conservatório de Música em São Paulo. Quando foi chamado ao palco, Paulo Ivan caminhou como se estivesse indo para o cadafalso. Para piorar a situação, deu um branco total e esqueceu totalmente a melodia, inclusive o que imaginava ter aprendido. A saída foi de pegar o microfone e contar toda esta história para a Raquel Peluso e convidar para vir ao palco o amigo Vicente, causador da dita tragédia, para ajudá-lo a cantar. Evidentemente, isso foi motivo de muito riso por parte da homenageada e dos presentes, e tudo acabou muito bem. Mas esta história, que aconteceu há anos, ganhou um novíssimo fato engraçado e curioso. Há poucos momentos, Paulo Ivan ligou para José Wilson Malheiros da Fonseca e pediu que o lembrasse da música “Raquelina” pois não recordava mais e ele prontamente a cantou, via celular. Só que José Wilson estava em uma loja de peças de carros e, claro, as pessoas em volta imaginaram que aquele senhor, ex-juiz federal, escritor e compositor, não era bom da cabeça, cantava mal e uma música que ninguém conhecia. Imaginem a cena!

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *