Embora o Quartel Tiradentes esteja localizado no coração do bairro do Reduto, sediando o 2º BPM e duas Companhias da Polícia Militar do Pará, os meliantes parecem desafiar abertamente os policiais. Os assaltos no bairro continuam muito frequentes, principalmente no…

Douglas da Costa Rodrigues Junior, estudante de Letras - Língua Portuguesa da Universidade Federal do Pará e bolsista do Museu Paraense Emílio Goeldi, ganhou a 18ª edição do Prêmio Destaque na Iniciação Científica e Tecnológica na área de Ciências Humanas…

O Ministério Público do Trabalho PA-AP abrirá na segunda-feira inscrições para Estágio de Nível Superior. A seleção será destinada ao preenchimento de vagas e formação do quadro de reserva de estagiários dos cursos de Administração/Gestão Pública, Biblioteconomia, Direito, Jornalismo, Publicidade/Propaganda…

Hoje, dia 23 de julho de 2021 às 19h, o Instituto Histórico e Geográfico do Pará realizada a nona “Live em Memória” da programação alusiva aos 121 anos do Silogeu, desta vez em homenagem ao centenário de nascimento do Almirante…

Raios X da educação

Menos da metade dos brasileiros de 15 a 17 anos cursa o ensino médio, e apenas 13% dos jovens de 18 a 24 anos frequentavam o ensino superior em 2007. É o que revela a pesquisa “Juventude e Políticas Sociais no Brasil“, lançada hoje pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada.

O estudo aponta avanços no acesso de jovens à educação. Em 2007, 82% dos jovens de 15 a 17 anos frequentavam a escola. O problema está no atraso: só 48% estavam no ensino médio.

Um dos maiores problemas é a desigualdade de oportunidades. A cor, o nível de renda e a moradia interferem no acesso à educação. Em 2007, 57% dos meninos e meninas de 15 a 17 anos residentes em áreas metropolitanas cursavam o ensino médio, contra pouco menos de 31% no meio rural.
O jovem ainda se divide entre os estudos e o mercado de trabalho e os que conseguem ir à escola precisam lidar ainda com a baixa qualidade do ensino, calcado numa estrutura antiquada e nada atraente.

No ensino superior, entre 1996 e 2007, a taxa de frequência líquida cresceu 123%. Mas só 13% na faixa etária dos 18 aos 24 anos – muito abaixo da meta de 30% estipulada para 2011 no Plano Nacional de Educação. A taxa de frequência dos que têm renda mensal per capita de cinco salários mínimos ou mais (55%) é dez vezes maior do que entre a população que ganha até meio salário mínimo (5%).

O estudo do Ipea destaca que o Brasil ainda tem 1,5 milhão de analfabetos, entre 15 e 29 anos, por causa da baixa efetividade do ensino fundamental. De acordo com dados da Pnad 2007 (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios) do IBGE, 44,8% dos analfabetos com 15 anos ou mais já haviam frequentado a escola.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *