O IV Distrito Naval da Marinha do Brasil, em parceria com o Ministério Público do Estado do Pará (MPPA), Praticagem da Barra do Pará, Sociedade Amigos da Marinha Pará, Secretarias de Saúde de Barcarena e do Estado do Pará, Tribunal…

Guy Veloso, filho do saudoso jurista, notário e político Zeno Veloso, plantou em sua memória um pé de baobá na Universidade Federal do Pará, onde o ilustre parauara se destacou como professor de direito civil e direito constitucional, formando gerações…

Evellyn Vitória Souza Freitas nasceu no chão do banheiro do Hospital Municipal de Portel, município do arquipélago do Marajó (PA), no dia 28 de julho de 2021, por volta das 8h da manhã, prematura de 28 semanas e dois dias, pesando 1Kg e 39…

Vanete Oliveira, a jovem marajoara de 28 anos e mãe de cinco filhos que sofre há catorze anos com um tumor enorme em um dos olhos, que lhe cobre quase a metade da face, já está internada no Hospital Ophir…

Quilombolas denunciam milícias



A Associação Comunitária de Remanescentes de Quilombo da Comunidade de São Sebastião Cipoal, no rio Pacajá, localizado no município de Portel, arquipélago do Marajó, registrou boletim de ocorrência policial contra a ABC/Cikel. Moradores acusam a empresa de coerção. Conforme o BO lavrado na delegacia do município, três indivíduos conhecidos apenas por Tonhão, Nildo e Sílvio, armados de espingarda, trajando fardamento do Exército Brasileiro, estão invadindo as casas dos moradores e tomando ferramentas de trabalho (caça e pesca) e agredindo os ribeirinhos, alegando que ocupam área da Cikel. Na comunidade Nossa Senhora do Carmo, agrediram o senhor Alacid Maria Moraes com um soco e levaram todos os seus pertences, no dia 12 deste mês. 


Os problemas agrários na região vêm crescendo de forma assustadora, gerando clima de violência e terror. As populações tradicionais e os ribeirinhos do rio Camarapi (da boca do rio Toré à foz do rio Camarapi – Caminheiros do Bem), denunciam há anos que estão sofrendo com o tratamento dispensado por policiais militares e seguranças particulares armados a mando da ABC/Cikel, que, de forma arbitrária, truculenta e autoritária, humilham, maltratam e ameaçam os pais e mães de famílias daquela área. Inúmeros casos chegaram ao Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais de Portel e à Delegacia de Polícia Civil de Portel. No início do ano passado, sob forte ameaça, comunitários foram orientados pela milícia a abandonar a área onde moram e de forma legal tiram o seu sustento. 

Mediante esses fatos, os vereadores da Câmara Municipal de Portel aprovaram, na sessão de 08 de maio de 2014, a Moção de Repúdio nº 002/2014 contra a ABC/Cikel. Várias famílias estiveram nas galerias da Câmara empunhando cartazes pedindo socorro aos legisladores, que encaminharam expedientes pedindo providências ao Ministério do Desenvolvimento Agrário, ao Incra, ao Iterpa, à Secretaria de Estado de Meio Ambiente, ao Comando Geral da Polícia Militar do Estado do Pará, ao Comando de Policiamento Regional XI – Marajó, ao 9º Batalhão de Polícia de Breves, à Corregedoria da Polícia Militar do Pará, à Secretaria Estadual de Segurança Pública e Proteção Social, à bancada do Pará na Câmara e no Senado Federal, ao Bispo do Marajó e acompanhante da Comissão Justiça e Paz da CNBB Norte II, Dom José Luiz Azcona Hermoso, ao Ministério Público Federal e à Ouvidoria Agrária Nacional.

Na noite do dia 14.05.2014, representantes da ABC/Cikel estiveram na Câmara Municipal de Portel para uma reunião com os vereadores, a fim de tratar acerca da Moção de Repúdio contra a empresa e dos pedidos de providências aos órgãos ambientais, à PM e ao MPF, sobre as inúmeras denúncias feitas por ribeirinhos e povos tradicionais.
No encontro, que contou com a presença de nove vereadores, os gerentes, assistente social e advogado da empresa propuseram a criação de uma comissão, formada por moradores do Alto Camarapi, vereadores, Poder Executivo e sindicato rural, destinada a acompanhar a situação.
Segundo os representantes da ABC/Cikel tudo não passaria de um equívoco, que seria elucidado. Mas, como se observa, nada foi resolvido, a situação é grave e é preciso a ação urgente da Prefeitura, do Estado, da União e do MPF, antes que se concretizem mais crônicas de mortes anunciadas.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *