0

Um espetáculo da natureza encantou turistas e moradores da região do Xingu. Cerca de 4 mil filhotes de tartaruga-da-amazônia (Podocnemis expansa) foram soltos no Refúgio de Vida Silvestre Tabuleiro do Embaubal. A Unidade de Conservação, localizada em Senador José Porfírio, município do sudoeste parauara, é a maior área de desova da espécie no mundo: mais de 4 mil hectares. Até o final deste ano, a expectativa é de soltura de 600 mil tartarugas, contribuindo para a preservação da biodiversidade local. Essa é uma das espécies ameaçadas de extinção na Amazônia.

As tartarugas são fundamentais para o ecossistema amazônico, porque desempenham um papel crucial no equilíbrio ambiental e na potabilidade dos rios. Por se alimentarem de plantas aquáticas e peixes mortos, fazem verdadeira ação de limpeza nos cursos d’água. A caça predatória e a destruição de habitats naturais tem colocado em risco a sobrevivência dessas tartarugas. Criado em 2016 e inserido na Bacia do Xingu, o Revis Tabuleiro do Embaubal é uma UC de Proteção Integral. Além da tartaruga-da-amazônia, outras espécies de quelônios desovam na área, como os Pitiús (P. sextuberculata) e Tracajás (P. unifilis). No local, também são encontradas aves migratórias como a Águia pescadora (Pandien haliaeteus), o Biguá (Phalacrocorax brasilianus) e o Maçarico (Tringa solitaria), além do peixe boi e ninhais. O Tabuleiro do Embaubal tem alta vulnerabilidade e é alvo de pesquisas científicas estabelecidas pelo Plano de Manejo e com prévia autorização do órgão responsável pela administração, o Ideflor-Bio.

Franssinete Florenzano
Jornalista e advogada, presidente da Academia Paraense de Jornalismo, membro da Academia Paraense de Letras, do Instituto Histórico e Geográfico do Pará, da Associação Brasileira de Jornalistas de Turismo e do Instituto Histórico e Geográfico do Tapajós, editora geral do portal Uruá-Tapera e consultora da Alepa. Filiada ao Sinjor Pará, à Fenaj e à Fij.

APLI empossa novos membros

Anterior

Estudo confirma, pela primeira vez, a relação entre hormônio produzido no intestino e o hipocampo, no cérebro

Próximo

Vocë pode gostar

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *