3

O clima está péssimo no PT parauara. Um grupo de filiados históricos pediu a impugnação da filiação de Josenir Nascimento, virtual primeiro suplente de Beto Faro na chapa ao Senado.

Considerados petistas beneméritos, desvinculados das tendências internas, eles encaminharam ontem à noite ao Diretório Regional do PT-PA o documento. E justificam a recusa da filiação alegando que Josenir Nascimento é pessoa de confiança da família Barbalho, que controla o MDB no Pará, e seu ingresso na sigla tem como objetivo funcionar como “barriga de aluguel” do partido do governador Helder Barbalho e do senador Jader Barbalho, a fim de gerar um suplente de senador. Argumentam os autores do pedido que a vaga de suplente da candidatura ao Senado Federal já fora definida pelo Encontro Estadual do PT, no dia 14 de janeiro de 2022. O documento termina com um desabafo: “os signatários não aceitam que o partido que governa o Pará dite regras a uma agremiação que possui métodos e instâncias de decisões democráticas”.

É tão ruim a situação que o ex-secretário de Estado de Educação do Pará, Luis Cavalcante, um dos fundadores do PT, postou em sua página no Facebook um “Fora, Josenir!”, com a ficha de filiação dele. A Comissão Executiva Estadual está reunida para tentar uma solução ao impasse, mas está difícil. Os grupos liderados pelo senador Paulo Rocha e pelo deputado federal Zé Geraldo não abrem mão de seus espaços. Até porque tudo foi definido em janeiro, após meses de negociações internas para pacificar o partido, e agora Beto Faro tenta empurrar goela abaixo articulação extrapartidária.

Franssinete Florenzano
Jornalista e advogada, presidente da Academia Paraense de Jornalismo, membro da Academia Paraense de Letras, do Instituto Histórico e Geográfico do Pará, da Associação Brasileira de Jornalistas de Turismo e do Instituto Histórico e Geográfico do Tapajós, editora geral do portal Uruá-Tapera e consultora da Alepa. Filiada ao Sinjor Pará, à Fenaj e à Fij.

Abaluayê

Anterior

Mulheres e política

Próximo

Vocë pode gostar

3 Comentários

  1. O consenso é fundamental para o equilíbrio das demandas políticas de um partido, o que não estamos vendo no PT de nosso estado. Esta divisão interna vai ser determinante para o destino do partido, no que tange a este pleito eleitoral.

  2. Não há limites para a auto desmoralização do pt paraense.

  3. O psol segue o mesmo caminho : “puxadinho dos barbalhos”. É a chamada “esquerda de aluguel” ou “gourmet”.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *