Vanete Oliveira, 28 anos, mãe de cinco filhos, vive em Portel, município do arquipélago do Marajó(PA). Ela sofre há catorze anos dores atrozes além do desconforto, trauma e todo tipo de dor física e psicológica, por conta de um tumor…

As Diretorias de Combate à Corrupção e de Polícia do Interior da Polícia Civil do Pará prenderam hoje (28), no Distrito Federal, durante a Operação "Litania”, uma falsa empresária e sócios-proprietários que utilizavam empresa de fachada como instituição financeira para…

A Secretaria de Estado da Fazenda do Pará publicou extrato de dispensa de licitação para contratar a Prodepa, por R$800.427,88, a fim de desenvolver novo site da Transparência do Governo do Pará, com criação de nova arquitetura de informação, navegação…

Andar de motocicleta proporciona histórias, experiências e adrenalina. Motos oferecem facilidade de locomoção rápida e de conseguir estacionamento. Mas a liberdade é, sem dúvida, o motivo número 1 de todo motociclista. Sentir o vento, o clima, fazer parte da paisagem. Este é…

Promotor militar denuncia major PM

O promotor de Justiça Militar Armando Brasil (foto) requereu hoje à Procuradoria-Geral de Justiça que seja pedido ao governador do Estado abertura de conselho de justificação destinado a apurar a conduta do major PM Leonardo do Carmo Oliveira. Ele é acusado pelo Ministério Público de organizar grupos para a prática da violência, extorsão e concussão. A denúncia foi feita com base em inquérito policial militar que apurou ter o major – e outros PMs –  utilizado aparato da PM (viaturas, fardas e até armamentos) para fazer a segurança particular da fazenda Ipê, em Pacajá(PA).

Conforme o IPM, após a invasão por supostos sem-terra, em fevereiro deste ano, o administrador da fazenda, Carlos D´ Ávila, com o aval do proprietário, Jorge Khoury Sobrinho, fez um acerto com a advogada Gláucia Oliveira: R$ 20 mil para ela tratar das questões jurídicas e R$50 mil para que seu marido, o major Leonardo, retirasse os invasores. Só que, depois de expulsos, os posseiros descobriram que não havia mandado judicial e denunciaram o caso à Corregedoria da PM. Em nova ação, o major Leonardo retornou à fazenda e a advogada Gláucia passou a exigir R$40 mil mensais para que a PM continuasse a fazer a segurança e evitasse novas invasões. 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *