0

É o que diz o ministro dos Portos. A tradição de nomeações políticas para a direção dos portos brasileiros gerou problemas crônicos, pela gestão ineficiente. Entre eles, um passivo em ações trabalhistas que chega a R$ 800 milhões no porto de Santos e a R$ 400 milhões no do Rio de Janeiro, sem falar na deficitária e moribunda CDP. Somados, os valores equivalem a quase metade dos R$ 2,7 bilhões previstos no PAC para a infra-estrutura portuária nos próximos quatro anos.

Franssinete Florenzano
Jornalista e advogada, presidente da Academia Paraense de Jornalismo, membro da Academia Paraense de Letras, do Instituto Histórico e Geográfico do Pará, da Associação Brasileira de Jornalistas de Turismo e do Instituto Histórico e Geográfico do Tapajós, editora geral do portal Uruá-Tapera e consultora da Alepa. Filiada ao Sinjor Pará, à Fenaj e à Fij.

Falta de respeito

Anterior

Carta do Chefe Seattle

Próximo

Vocë pode gostar

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *