0

Encerra hoje o evento, que debateu, também, a implantação do ensino do idioma italiano e de uma Cátedra de Italianística na UFPA. Não são poucos os laços paraenses com a Itália. O arquiteto Antônio Landi deixou o Centro Histórico de Belém parecido com as ruas italianas. Carlos Gomes trouxe do além-mar a influência musical de Milão. Imigrantes, no século XIX, desembarcaram técnicas de cultivo, tradições culinárias e um característico repertório artístico e cultural. Mais tarde, no período militar, descendentes de italianos do Sul do Brasil migraram para cá. E, assim, a história garantiu que parte da Amazônia se tornasse italiana.
Franssinete Florenzano
Jornalista e advogada, membro da Academia Paraense de Jornalismo, da Academia Paraense de Letras, do Instituto Histórico e Geográfico do Pará, da Associação Brasileira de Jornalistas de Turismo e do Instituto Histórico e Geográfico do Tapajós, editora geral do portal Uruá-Tapera e consultora da Alepa. Filiada ao Sinjor Pará, à Fenaj e à Fij.

Pedofilia e maluquice de Dudu

Anterior

Bombeiros invertem missão

Próximo

Vocë pode gostar

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *