Em uma aula prática da Faculdade de Medicina da Unifamaz, ontem, o professor Marcus Vinícius Henriques de Brito, visivelmente impaciente com a aluna que deveria demonstrar intubação em um boneco, questionou a falta de lubrificação prévia do paciente, ao que…

Na quarta-feira passada, dia 24, a audiência pública na Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara Federal, em Brasília, era para discutir a gravíssima situação na Terra Indígena Yanomami, mas o clima de enfrentamento entre bolsonaristas e lulistas inviabilizou…

O prefeito Edmilson Rodrigues anunciou que Belém tem condições de fazer o Carnaval 2022, após reunião hoje (25) à tarde com representantes das escolas de samba e blocos carnavalescos. Ele acredita que com mais de 80% de pessoas vacinadas contra…

Em 17 de dezembro de 1999, a Assembleia Geral das Nações Unidas designou o 25 de novembro Dia Internacional da Eliminação da Violência contra a Mulher. Passados 22 anos, os dados do 14° Anuário Brasileiro de Segurança Pública são aterrorizantes: por…

Prefeito de Faro encalacrado

O juiz Horácio de
Miranda Lobato Neto acatou pedido do promotor de justiça Rodrigo Aquino, em
ação civil pública por improbidade administrativa e declarou a
indisponibilidade dos bens do prefeito de Faro, Denilson Batalha Guimarães(PTB), do
secretário municipal de Finanças Edésio Miranda e do tesoureiro do município, Aldiro
Garcilei Galvão da Costa.
O Ministério Público apurou
em inquérito civil que a prefeitura de Faro firmou convênio com a Caixa
Econômica Federal para concessão de empréstimos pessoais aos servidores
municipais, sob consignação em folha de pagamento. Só que descontava dos
salários as parcelas e não as repassava à CEF. O esquema só veio à tona quando
os funcionários descobriram que estavam no Serasa e SPC e proibidos de contrair
novos empréstimos.
Pressionado pelo MP, o
prefeito quitou o débito com a Caixa no início de 2012, desembolsando, em pouco
mais de dois meses, exatos R$209.905,09, o equivalente a quase um terço do
arrecadamento mensal de Faro.
Agora, o prefeito tem
que comprovar o repasse à CEF, nas datas fixadas no convênio, dos valores
descontados dos servidores ativos, inativos e pensionistas, sob pena de multa
diária de R$100. O bloqueio de bens foi informado ao TJE-PA e TJE-AM, para
comunicação a todos os cartórios de registro de imóveis, assim como ao Detran-PA
e Detran-AM.
A ação prosseguirá e os
réus serão responsabilizados também no âmbito criminal. Se condenados, além de
ressarcir integralmente o dano aos cofres públicos, perderão as funções públicas
e terão suspensos os direitos políticos.

Detalhe: esse prefeito é o presidente da Associação dos Municípios da Calha Norte – Amucan.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *