Vanete Oliveira, 28 anos, mãe de cinco filhos, vive em Portel, município do arquipélago do Marajó(PA). Ela sofre há catorze anos dores atrozes além do desconforto, trauma e todo tipo de dor física e psicológica, por conta de um tumor…

As Diretorias de Combate à Corrupção e de Polícia do Interior da Polícia Civil do Pará prenderam hoje (28), no Distrito Federal, durante a Operação "Litania”, uma falsa empresária e sócios-proprietários que utilizavam empresa de fachada como instituição financeira para…

A Secretaria de Estado da Fazenda do Pará publicou extrato de dispensa de licitação para contratar a Prodepa, por R$800.427,88, a fim de desenvolver novo site da Transparência do Governo do Pará, com criação de nova arquitetura de informação, navegação…

Andar de motocicleta proporciona histórias, experiências e adrenalina. Motos oferecem facilidade de locomoção rápida e de conseguir estacionamento. Mas a liberdade é, sem dúvida, o motivo número 1 de todo motociclista. Sentir o vento, o clima, fazer parte da paisagem. Este é…

É preciso dar respostas

“Em Curralinho, de 2001 a 2005 foram apresentadas 27 denúncias de exploração sexual de menores e a promotoria não levou nenhuma para frente. Em Chaves, que está no extremo norte da ilha, estamos tendo notícias faz duas semanas de que apareceram duas meninas de 12 anos engravidadas por avôs. No Tajapu, rio de intenso tráfego que transporta pessoas e mercadorias entre Belém e Macapá, veja o que acontece: pais jogam as meninas de 12 a 16 anos nas balsas para se prostituírem. Em troca recebem três quilos de carne ou cinco litros de óleo diesel. Por outra parte, tem meninas e meninos menores de idade nesse rio que voluntariamente entram nesse dinamismo destruidor e bárbaro. Percebemos que faltam medidas para enfrentar essa realidade que não é nova e cuja intensidade é aguda. Não se está refletindo suficientemente e isso angustia muito. Na verdade todas as problemáticas que o Pará apresenta são velhas. Não é pela presença do governo do PT, da Ana Júlia, que agora acontecem realidades novas. Podemos dizer que se intensificaram realidades sociais que antes existiam. Por que houve essa intensificação, eu não poderia dar uma resposta adequada. É um fenômeno sociológico rápido, violento, que não tem tido respostas das autoridades”.(Dom José Luiz Azcona, bispo do Marajó)

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *