A igreja de São Francisco de Assis em Belém do Pará, carinhosamente chamada pelos fiéis de "Capuchinhos", completará cem anos de sua inauguração em 02 de outubro de 2022. A abertura oficial das festividades será com um concerto na igreja…

O trânsito continua matando mais do que muitas guerras. A administradora Gina Barbosa Calzavara, coordenadora dos bosquinhos da Universidade Federal do Pará, fez uma emocionante homenagem à memória do jovem Jean Serique Lameira, esportista do ciclismo e que também usava…

O Laboratório de Engenharia Biológica do Parque de Ciência e Tecnologia - PCT Guamá está estudando o sequenciamento genético do açaí, de modo a assegurar a rastreabilidade de ponta a ponta na cadeia produtiva e padrões de qualidade para os…

A Lei estadual nº 9.278/2021, que entrou em vigor em 30 de junho deste ano, instituindo a obrigação de que pessoas residentes em condomínios, conjuntos habitacionais e similares comuniquem à Polícia Civil, de forma imediata, qualquer tipo de agressão praticada…

PRE ajuiza 17 ações contra 48 políticos

Num dia que era para ser só de festa para os eleitos e agora diplomados, o procurador regional eleitoral no Pará, Alan Mansur, e os procuradores eleitorais auxiliares Bruno Araújo Soares Valente, Maria Clara Barros Noleto e Nayana Fadul da Silva ajuizaram hoje 17 ações perante o Tribunal Regional Eleitoral contra 48 políticos, entre eles o governador Simão Jatene(PSDB) e seu vice Zequinha Marinho(PSC), Helder Barbalho(PMDB), seu candidato a vice Lira Maia(DEM), o diretor do grupo RBA e diretor-presidente da Rádio Clube do Pará e do jornal Diário do Pará, Jader Barbalho Filho, e o diretor do grupo RBA de Comunicação, Camilo CentenoNa maioria das ações foi requerida a cassação do registro ou diploma dos candidatos e a declaração de inelegibilidade por oito anos. Os prefeitos de Benevides, Capitão Poço, Marabá, Mocajuba e Parauapebas, a secretária de Estado de Planejamento, Orçamento e Finanças e até o secretário de Estado de Comunicação também foram incluídos nas lides.
Os procuradores fundamentam as peças acusatórias alegando abuso de poder político e econômico, compra de votos e a prática de condutas proibidas a agentes públicos durante o período eleitoral. 

Em mais duas ações, o MPF requer a inelegibilidade e a cassação dos diplomas do deputado estadual eleito Eraldo Pimenta(PMDB), cujas contas de quando ele foi prefeito de Uruará o TCE-PA considerou irregulares; e ddeputado estadual reeleito Sidney Jorge Rosa(PSD), que teve suas contas como prefeito de Paragominas consideradas irregulares pelo TCU.  As decisões dos Tribunais de Contas do Estado e da União foram anunciadas após o registro das candidaturas.

A Procuradoria Regional Eleitoral, órgão do Ministério Público Federal que atua nas questões eleitorais, apontou que programas de governo, como o Cheque Moradia, do governo estadual, e o Minha Casa Minha Vida, do governo federal, foram usados para obtenção de votos nas campanhas, além de utilização indevida de meios de comunicação.

Em uma das ações, o governador Simão Jatene, o vice Zequinha Marinho, o presidente da Cohab, João Hugo Barral de Miranda, a diretora da Cohab, Maria Cláudia Zaidan Gonçalves de Oliveira, e a coordenadora do programa Cheque Moradia junto a lideranças comunitárias dos bairros de Belém, Maria Sônia da Costa Massoud, são  acusados de abuso de poder político. A Procuradoria Regional Eleitoral denuncia que, até o período da campanha eleitoral, o mês com maior investimento do Cheque Moradia havia sido janeiro, com um gasto total de R$ 9,2 milhões, que passou a R$ 15,1 milhões em agosto e em setembro pulou para R$ 31 milhões. Alega também que durante a campanha aumentou o número de eventos promovidos e o número de processos abertos pelo programa, além da entrega de cheque moradia a eleitores que prometeram voto nos candidatos.
O MPF requer que a Cohab seja obrigada a informar o número de cada processo de pessoas cadastradas no programa Cheque Moradia e o número de cheques entregues, em cada mês de 2014, com valores de cada um e os nomes de seus beneficiários; que a Cohab mantenha cópia integral dos autos de tais processos para eventual verificação da Procuradoria Regional Eleitoral e da Justiça Eleitoral; que a Cohab informe o número exato de inscritos no Cheque Moradia e a quantidade de cheques entregues, com levantamento quantitativo e mensal destes no período de janeiro de 2014 até o dia da eleição (26 de outubro); que apresente relação dos inscritos e total de cheques moradia entregues após o período eleitoral (a partir de 27 de outubro) e até 31 de dezembro; que apresente relatório de duração processual médio para cadastro e entrega do cheque moradia, bem como relação dos funcionários que participam do procedimento, incluindo oriundos de outras secretarias, prefeituras e terceirizados, e a data na qual passaram a integrar o quadro de servidores autorizados à execução do programa; que a Cohab apresente a relação dos processos/beneficiários que receberam apenas uma das parcelas do cheque moradia, indicando o motivo pelo qual não houve o pagamento das demais parcelas; que a Secretaria de Estado da Fazenda mostre o relatório das empresas beneficiárias do crédito tributário do Cheque Moradia, com os créditos individualizados por empresa; que o TRE-PA casse os diplomas dos candidatos e declare a inelegibilidade por oito anos de todos, e aplique multa aos envolvidos.

Em outra ação, Helder Barbalho, Lira Maia, Jader Barbalho Filho e Camilo Centeno são acusados de utilização indevida de veículos e meios de comunicação social, em benefício das candidaturas de Helder/Lira Maia, com ofensa ao livre e isonômico debate democrático. Segundo a Procuradoria Regional Eleitoral, todas as empresas das quais o candidato é sócio foram utilizadas para enaltecer a sua candidatura e atacar seus adversários políticos. Como provas dos ataques, a ação elencou uma série de matérias jornalísticas de rádio e TV.
O MPF pede que a RBA e a Rádio Clube do Pará sejam obrigadas a informar quais os municípios e áreas alcançados por essas emissoras no Estado; que o Ibope seja obrigado a apresentar os dados sobre a audiência da RBA e da Rádio Clube no período de maio a outubro de 2014; requer a cassação do registro de candidatura ou diploma dos candidatos Helder e Lira Maia e a declaração da inelegibilidade por oito anos de todos os acusados. 

Já a candidata suplente de deputada estadual eleita Luziane Cravo, o presidente da Associação das Comunidades Agroextrativistas da Ilha Trambioca, Andrei da Costa e Silva, e o presidente da Associação Atlética Esporte Clube 14, Adail da Silva Pereira, são acusados de abuso de poder político e econômico. Segundo o Ministério Público Eleitoral, a candidata utilizou indevidamente o programa Minha Casa Minha Vida, do governo federal, para promover sua campanha eleitoral, além de uma associação esportiva e de uma associação de comunidades agroextrativistas para realizar cadastros de famílias e viabilizar a concessão de financiamentos do programa, promovendo sua candidatura durante a entrega das moradias.
É pedida a cassação do registro de candidatura e diploma de suplente de deputada estadual e declaração da inelegibilidade por oito anos de todos, além de multa aos envolvidos.

O prefeito de Parauapebas, Walmir Queiroz Mariano, e o primeiro suplente de deputado estadual eleito, Gesmar Rosa da Costa, também são acusados de abuso de poder político e econômico. Segundo a PRE, o prefeito usou eventos oficiais da prefeitura para promover a candidatura de Gesmar Rosa mediante a presença do candidato em tais eventos. O candidato foi gestor da autarquia municipal de Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Parauapebas (SAAEP) durante a gestão do atual prefeito.
O MP requer a cassação do registro de candidatura e do diploma de suplente de Gesmar Rosa e declaração de inelegibilidade de ambos por oito anos, além de multa.

Gesmar Rosa da Costa está encalacrado também em outra ação, junto com o superintendente do Departamento Nacional de Proteção Mineral (DNPM) no Pará, Thiago Marques de Oliveira, e o suplente de deputado federal eleito Moacir Charles Agnelo Borges Segundo, o Doutor Charles. O superintendente do DNPM no Pará é acusado de praticar conduta proibida para agentes públicos durante o período eleitoral e os candidatos são acusados de se beneficiar dessa conduta ilegal. Apesar de a legislação vedar a utilização promocional de bens e serviços de caráter social, sob pretexto de entregar permissão de lavra garimpeira o DNPM realizou ato de grande apelo popular em um garimpo em Parauapebas, com fornecimento de bebida e alimentação. O evento serviu para divulgar as candidaturas de Gesmar Rosa e Doutor Charles, que, presentes na cerimônia, assumiram papel de protagonismo, inclusive com entrega ao público de material de campanha.
Pedidos da ação: cassação do registro e diploma dos candidatos e multa a todos. 

Outra ação aponta abuso do poder político e econômico praticado pelo vereador em Ananindeua e candidato eleito suplente de deputado estadual José Duarte Leite, o professor Duarte; pelo presidente do Instituto de Desenvolvimento Educacional, Social e Cultural da Amazônia (Idescam), Paulo César Rodrigues de Oliveira; e por Vivian da Silva Ferreira. Segundo o MP, o vereador utilizou o Idescam, entidade fundada por ele, para propagar a distribuição de moradias construídas pelo programa do governo federal Minha Casa Minha Vida. A Idescam é um dos centros de credenciamento de famílias para o programa, e o candidato se aproveitou disso para prometer a distribuição de casas, transformando a sede do instituto em um comitê eleitoral, denuncia o Ministério Público, que pede a cassação do registro e do diploma de suplente; declaração da inelegibilidade por oito anos e aplicação de multa aos envolvidos.

Contra o deputado estadual José Raimundo de Oliveira, o Belo, e a prefeita de Capitão Poço, Antônia Diana Mota de Oliveira, pesa a acusação de compra de votos. O candidato é marido da prefeita, que foi acusada pelo Ministério Público Eleitoral de oferecer empregos na prefeitura em troca de votos no marido.
Pedidos da ação: cassação do registro e diploma do candidato e aplicação de multa a ambos.

O prefeito de Marabá, João Salame Neto e seu secretário de Segurança Institucional, Alberto Henrique Teixeira de Barros, fazem companhia a Helder Barbalho e Lira Maia em outra ação, pela prática de conduta proibida a agentes públicos que, além de ser ilegal, beneficiou os candidatos Helder Barbalho e Lira Maia. Segundo a Procuradoria Regional Eleitoral, representantes da prefeitura abordaram adversários políticos do prefeito que supostamente estariam fazendo propaganda eleitoral irregular, e levaram os suspeitos à delegacia em veículos da Secretaria de Segurança Institucional da prefeitura. Aliados políticos do prefeito que também teriam realizado propaganda irregular não foram repreendidos com a mesma intensidade.
Pedido da ação: aplicação de multa a todos os acusados.

O deputado estadual eleito suplente Pio X Sampaio Leite, o Pio X, e Midielson da Silva Pereira são acusados, por sua vez, de compra de votos. Midielson teria oferecido dinheiro a eleitores em troca de votos em Pio X.  O MPF requereu a cassação do registro e do diploma do candidato e aplicação de multa aos dois.

A metralhadora giratória do MPF acertou também o suplente de deputado estadual eleito Francisco Alves Filho, o F. Alves; o coordenador de campanha de F. Alves Ney Pereira da Cunha;
Tiago dos Reis dos Santos e os sócios-administradores do posto de combustível Tabocas, Brunno da Silva Planzo e Carlos Augusto Gouvea Grossinho.
A acusação é compra de votos. O Ministério Público Eleitoral informou à Justiça que a equipe do candidato F. Alves distribuiu combustível a eleitores no posto dos dois empresários também acusados de envolvimento no esquema. Foi pedida a cassação do registro e diploma do candidato e multa aos envolvidos.

A suplente de deputada estadual eleita Joseilda Silva Amaral, a Josy Amaral; a gerente do posto de combustível Vitória, Ivanilda Chagas Moura; e os proprietários do posto de combustível Vitória, Lorena Leite Kunze e Mazio Bandeira Soares estão sendo acusados de compra de votos. A candidata teria distribuído combustíveis em troca de votos, com a ajuda dos demais. Foi requerida a cassação do seu registro e diploma, além de multa a todos.

O governador Simão Jatene, o vice Zequinha Marinho, a secretária de Estado de Planejamento, Orçamento e Finanças, Maria do Céu Guimarães de Alencar, e o secretário de Comunicação do Estado do Pará, Daniel Nardin Tavares, são acusados, em outra ação, de prática de conduta proibida a agentes públicos. De acordo com o Ministério Público Eleitoral, o Estado estabeleceu para 2014 a previsão de gastos de R$37,3 milhões com publicidade dos órgãos da administração direta e indireta. O valor supera a média de gastos nos três anos anteriores (R$ 34,5 milhões), o que a legislação proíbe.
Pedidos da ação: cassação do registro e diploma dos candidatos e aplicação de multa aos envolvidos. 

deputado estadual reeleito Francisco das Chagas Silva Melo Filho, o Chicão(PMDB), o suplente de deputado estadual eleito José Corrêa de Brito Filho, o Gordo de Marituba; e o suplente de deputado estadual eleito José Clodomir de Melo Begot, o Zé Begot, são acusados de prática de conduta proibida a agentes públicos. Segundo a Procuradoria Regional Eleitoral, eles se beneficiaram de ato que ameaçou uma servidora pública da prefeitura de Benevides de ser exonerada caso não apoiasse o grupo.
Pedidos da ação: cassação do registro e diploma do deputado Chicão, e multa aos envolvidos.

Em mais uma ação, o diretor-geral do Hospital Ofir Loyola, Alberto Gomes Ferreira Júnior; o governador Simão Jatene e o vice Zequinha Marinho são acusados de conduta proibida a agentes públicos. A ação do MPF informa à Justiça Eleitoral que servidores temporários do HOL foram demitidos durante o período em que a legislação eleitoral proíbe.
Pedidos da ação: cassação do registro e diploma dos candidatos e multa aos envolvidos.

O prefeito de Benevides, Ronie Rufino da Silva, e sua secretária de Saúde, Ivete Gadelha Vaz, também são acusados de conduta proibida a agentes públicos. Eles teriam demitido servidores temporários que não apoiaram seus candidatos, além de ameaçar fazer a demissão de mais temporários pelo mesmo motivo.
Pedidos da ação: multa aos dois.

O deputado estadual reeleito Fernando Coimbra(PSD); a presidente da Associação Cultural e Esportiva Viva Bragança, Sandra Neila Pereira Lemos; o presidente da Associação dos Moradores do Bairro Novo Horizonte, Pedro Avelino da Silva; e a presidente da Associação dos Trabalhadores do Ramo de Pesca de Vigia, Solange Raiol Miranda, também estão sendo processados. O Ministério Público Eleitoral denunciou à Justiça que o deputado cometeu abuso de poder por meio de repasse financeiro de emendas parlamentares a associações sem fins lucrativos a fim de obter recursos para sua campanha. No total, o deputado repassou R$ 399 mil para as três associações, cujos presidentes também são acusados, e não há provas de que os recursos foram aplicados, diz a PRE, que pede quebra do sigilo bancário das contas utilizadas pelas associações para recebimento dos recursos originados de emendas parlamentares; quebra do sigilo telefônico dos acusados; cassação do registro de candidatura e do diploma do deputado, e declaração da inelegibilidade por oito anos de todos, além de multa.

O prefeito de Mocajuba, Rosiel Saba Costa, e Denivaldo Farias Dias são acusados de divulgar, no dia das eleições, propaganda de partido político ou candidato. Segundo os procuradores eleitorais, o prefeito Rosiel Costa e Denivaldo Dias aproveitaram a presença em programa de rádio no dia das eleições para fazer propaganda para candidato.
Pedidos da ação: detenção de seis meses a um ano.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *