A equipe multidisciplinar do centro obstétrico da Fundação Santa Casa de Misericórdia do Pará, em Belém (PA), vivenciou uma experiência rara e emocionante: o parto empelicado. Imaginem um bebê nascendo dentro da placenta intacta, com os movimentos visíveis, praticamente ainda…

Em ação civil coletiva do Sindicato dos Profissionais de Enfermagem, Técnico Duchista, Massagista, Empregados em Hospitais e Casa de Saúde do Estado do Pará, na qual o Ministério Público do Trabalho PA-AP atuou como fiscal da lei, a 2ª Vara…

Patrick Luis Cruz de Sousa, candidato a presidente do Conselho Regional de Farmácia do Pará pela Chapa 1 e atual conselheiro do CRF-PA, discursa na campanha em favor das mulheres, que representam 70% da categoria, mas no início deste ano…

A 27ª Unidade de Conservação do Estado do Pará abrange os municípios de Jacareacanga e Novo Progresso, no sudoeste paraense. O Decreto nº 1.944/2021 foi assinado pelo governador Helder Barbalho na quinta-feira, 21, e publicado ontem (22) no Diário Oficial…

Polícia identificou autores do anúncio

A Polícia Civil do Pará já identificou várias pessoas envolvidas no anúncio ofertando vaga de babá a meninas na faixa etária de 12 a 18 anos. Além do casal a que se refere, um homem que se diz advogado mas na verdade é rábula afirma representar o casal, assumiu ter feito o anúncio e é dono de uma das linhas telefônicas publicadas, e mais uma quarta pessoa, dona de outra das linhas telefônicas veiculadas. O tal rábula já foi ouvido hoje, e amanhã o casal e o quarto envolvido serão intimados a prestar depoimento, assim como a direção do jornal Diário do Pará. A delegada Simone Edoron, titular da Diretoria de Atendimento a Grupos Vulneráveis, está à frente do caso.

O rábula contou uma história mirabolante. Que
conheceu o casal em um acidente de trânsito, se compadeceu porque eles precisavam
de uma babá para cuidar do bebê, que se ofereceu para fazer o anúncio e pediu
para usar a linha da quarta pessoa. Não explica o porquê de tanto interesse. E,
já que se apresentou como advogado, embora não seja, conhece a lei e não tem
como justificar a exigência da faixa etária de 12 a 18 anos, muito menos a
adoção ilegal.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *