O prefeito de Belém, Edmilson Rodrigues, anunciou na tarde desta segunda-feira, 8, que os recursos para a revitalização e requalificação do complexo do Mercado São Brás, na ordem de R$50 milhões, já estão garantidos pela Caixa Econômica Federal. Durante visita…

A orla da cidade concentrou o maior público de todos os tempos. Cerca de dez mil pessoas esperaram, ansiosas, o espetáculo emocionante e grandioso que incluiu barcos grandes e balsas, mas também canoeiros, as tradicionais e belíssimas barquinhas, confeccionadas com…

Área contígua ao centro histórico de Belém do Pará, Zona Especial do Patrimônio Histórico declarada por lei, o bairro do Reduto, cenário industrial da belle Époque, da Doca do Reduto no início do século XX, com suas canoas coloridas repletas…

A Primeira Seção do Superior Tribunal de Justiça fixou, sob o rito dos recursos repetitivos, a tese de que o servidor federal inativo, independentemente de prévio requerimento administrativo, tem direito à conversão em dinheiro da licença-prêmio não usufruída durante a…

Poderes engalfinhados pela LDO

A Comissão de Fiscalização Financeira e Orçamentária da Assembleia Legislativa está no maior burburinho por conta das emendas feitas à LDO – Lei de Diretrizes Orçamentárias. No gabinete da Presidência é um entra e sai incessante de dirigentes de órgãos. É mais quem disputa um pedacinho do bolo para contemplar projetos e municípios. Há centenas de propostas, mas duas é que são, digamos, o epicentro do bochincho, e vêm causando ranger de dentes em ambientes vetustos. O deputado Cássio Andrade(PSB) propõe a retirada de 0,12% do percentual de despesa líquida (um erro, deveria ser receita líquida) da Alepa,
do Tribunal de Contas do Estado e do Tribunal de Contas dos Municípios, acrescentando à Defensoria Pública o percentual de
0,36%. Por sua vez, José Scaff(PMDB) quer na proposta orçamentária de 2016 5,08% para a Alepa; 9,10% para o TJE-PA; 5,05% para o MPE; 0,39% para o Ministério Público de Contas dos
Municípios, 0,23% para o 
Ministério Público de Contas do Estado; 1,89% para o TCE-PA; 1,62% para o TCM-PA; e 1,64% para a Defensoria Pública.

Cássio argumenta que o aumento para a Defensoria é necessário a fim de garantir a prestação de serviço na capital e interior do Estado, devido ao aumento de despesas com a expansão institucional, bem como representa o reconhecimento da função social na atuação da Defensoria, principalmente no interior do Estado, no qual os índices de mensuração de pobreza e exclusão social são mais impactantes. Pela sua proposta, a Alepa fica com 4,26%; o TJE-PA 9,76%; o MPE-PA com 5,15%; o MPC do Estado com 0,39%; o MPC dos
Municípios com 0,23%; o TCE-PA com 1,77%; o TCM-PA com 1,44%; e a Defensoria Pública do Estado com 2%.

Já Scaff alega que o TJE-PA elevou “estratosfericamente” seu percentual de 5,95% em 2010 para 9,76% em 2011, o MPE saltou de 3,0523% em 2010 para 5,15%, sem que a população tenha observado melhora na atuação de juízes e promotores de justiça, posto que há muitas comarcas sem titulares, enquanto a Alepa continuou com seu percentual
congelado em 4,38%, até hoje, apesar da inflação e da depreciação dos seus
equipamentos, determinando o arrocho salarial dos seus servidores e o consequente desestímulo à produção. E ainda pôs o dedo na ferida: aponta que o Poder Judiciário é órgão arrecadador, enquanto a Alepa atende a todas as camadas sociais através de seus parlamentares na área de saúde, educação, cultura, esporte e lazer; mantém o CAC (Centro de Atendimento à Cidadania) para atender aos
menos assistidos, bem como a Assembleia itinerante, que acolhe reivindicações da população em todos os 144 municípios do Pará, gerando despesas de toda ordem. Completou, ainda, expondo que a sede do Poder Legislativo está em ruínas, sem condições de seus servidores e parlamentares executarem atividades no dia-a-dia. 
Scaff considera, também, que o TCM fiscaliza e treina 144 prefeituras e Câmaras Municipais e sua atuação é muito maior que a do TCE, entretanto,
o orçamento a ele destinado é muito menor. 

Por conta disso, o presidente da CFFO, deputado Júnior Hage(PR), que tem a incumbência de sistematizar as emendas e redigir o parecer acolhendo ou rejeitando proposições, está no mato sem cachorro. Recentemente, convidado para uma reunião com o presidente do TJE, quando chegou lá foi recebido pelos 17 desembargadores do Pleno do Tribunal, no maior clima. Aliás, o tribunal já aprovou até voto de repúdio à emenda de Scaff. 

Na próxima terça-feira, dia 23, a Comissão de Fiscalização Financeira e Orçamentária vota e aprova seu parecer, que, no dia seguinte, na última sessão do semestre, será incluído na pauta pelo presidente da Casa, deputado Márcio Miranda(DEM), e apreciado em plenário. Salve-se quem puder! Mas anotem e confiram na semana que vem esta previsão: a emenda de Cássio será rejeitada, assim como a de Scaff. E tudo continuará como antes, no quartel de Abrantes.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *