A 27ª Unidade de Conservação do Estado do Pará abrange os municípios de Jacareacanga e Novo Progresso, no sudoeste paraense. O Decreto nº 1.944/2021 foi assinado pelo governador Helder Barbalho na quinta-feira, 21, e publicado ontem (22) no Diário Oficial…

O Atlas da Dívida dos Estados Brasileiros, lançado no Fórum Internacional Tributário pela Federação Nacional do Fisco Estadual e Distrital, aponta que a dívida ativa das empresas com os entes federados soma estratosféricos R$ 896,2 bilhões, significando 13,18% do PIB…

Ao abrir oficialmente o Forma Alepa/Elepa, o presidente da Assembleia Legislativa do Pará, deputado Chicão, destacou a importância do trabalho que vem sendo executado pela Escola do Legislativo, treinando, qualificando e atualizando gestores, vereadores e servidores públicos, que dessa forma…

Em Itupiranga, força-tarefa do Ministério Público do Trabalho no Pará e Amapá, Auditoria Fiscal do Trabalho, Defensoria Pública da União e Polícia Federal resgatou sete trabalhadores em condições análogas às de escravos, em duas fazendas no sudeste paraense, e prendeu…

Pesquisa da Ufopa quer aproveitar esgoto

A pesquisadora Rose Meira, do Instituto de Ciências e Tecnologia das Águas da Universidade Federal do Oeste do Pará, está desenvolvendo pesquisa que busca alternativas para recuperar minerais presentes no esgoto sanitário.
O estudo, intitulado “Síntese e caracterização da estruvita MgNH4PO46H20 a partir de efluentes sintéticos combinados com fontes alternativas de reagentes”, é executado no âmbito do Programa de Pós-Graduação em Geologia e Geoquímica da Universidade Federal do Pará. 

Considerando uma média populacional de 300 mil pessoas, em Santarém são consumidos por dia cerca de 36 milhões de litros de água. A maior parte vira esgoto doméstico e vai direto para o solo (escoado a céu aberto, empoçado nos quintais ou em tanques sépticos seguidos de sumidouros) ou para os rios por meio de ligações na canalização de drenagem pluvial.
“O pós-tratamento para recuperar esses elementos no esgoto irá contribuir para que o efluente final do tratamento apresente excelente qualidade, podendo ser lançado no meio ambiente sem causar problemas, e, além disso, pode produzir um material sintetizado rico em minerais interessantes para a agricultura, como a estruvita, por exemplo”, diz a pesquisadora. 

A estruvita foi descoberta em 1846, na universidade de Hamburgo, na Alemanha, e pelas características físico-químicas pode ser utilizada como ecofertilizante. 

“O interesse científico por essa pesquisa surgiu a partir da constatação de que esse elemento também é uma importante fonte de fósforo”, esclarece Meira.
O problema do esgoto sanitário é antigo, mas apenas há pouco tempo os governantes despertaram para a questão. Em Santarém estão sendo construídas as primeiras duas estações para tratamento de esgoto. Cada uma vai tratar o esgoto produzido pelo equivalente a 50 mil pessoas, ou seja, cerca de 30% da população inicialmente, possuindo capacidade de ampliação para o dobro do atendimento dentro das mesmas ETE’s. Parece pouco, mas já faz uma diferença num lugar onde até pouquíssimo tempo nenhum esgoto recebia tratamento. 

No Brasil, a Resolução Conama 357/2005, alterada pela Resolução Conama 430/2011, estabelece que efluentes de qualquer fonte poluidora só podem ser lançados diretamente ou indiretamente nos corpos d’água desde que atendam aos padrões previstos na legislação para macronutrientes. “Os rios e igarapés urbanos têm uma capacidade, um limite para receber certa quantidade diária de efluentes, e dependendo da quantidade e da carga orgânica que for despejada o rio pode entrar num processo de eutrofização” (acúmulo de nutrientes como Nitrogênio e Fósforo, encontrados em abundância nas fezes de homens e animais. Proliferam bactérias, plâncton e algas, muitas delas tóxicas que, ao morrerem, causam gosto e odor desagradáveis, além de consumirem oxigênio dissolvido e matarem peixes), relata a pesquisadora. 

Apesar de Santarém ter grande parte da extensão do aquífero Alter do Chão – manancial subterrâneo – e de o rio Tapajós ter uma grande capacidade de suporte para absorção, já é possível identificar trechos de rio eutrofizados, principalmente próximo às saídas de rede de drenagem e também perto dos pontos de embarcações, evidenciado na turbidez das águas do rio Tapajós. Isso sem falar na grande quantidade de fossas espalhadas pela cidade. 

A água é um bem e deve ser cuidada e preservada para esta e para futuras gerações. As questões são locais, mas o problema é mundial.
A pesquisa deve estar concluída em quatro anos, informa a Ufopa.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *