Vanete Oliveira, 28 anos, mãe de cinco filhos, vive em Portel, município do arquipélago do Marajó(PA). Ela sofre há catorze anos dores atrozes além do desconforto, trauma e todo tipo de dor física e psicológica, por conta de um tumor…

As Diretorias de Combate à Corrupção e de Polícia do Interior da Polícia Civil do Pará prenderam hoje (28), no Distrito Federal, durante a Operação "Litania”, uma falsa empresária e sócios-proprietários que utilizavam empresa de fachada como instituição financeira para…

A Secretaria de Estado da Fazenda do Pará publicou extrato de dispensa de licitação para contratar a Prodepa, por R$800.427,88, a fim de desenvolver novo site da Transparência do Governo do Pará, com criação de nova arquitetura de informação, navegação…

Andar de motocicleta proporciona histórias, experiências e adrenalina. Motos oferecem facilidade de locomoção rápida e de conseguir estacionamento. Mas a liberdade é, sem dúvida, o motivo número 1 de todo motociclista. Sentir o vento, o clima, fazer parte da paisagem. Este é…

Pela vida das mulheres!

Assédio, exploração sexual, estupro, tortura, violência psicológica, agressões por parceiros ou familiares, perseguição, feminicídio. Sob diversas formas e intensidades, a violência contra as mulheres é recorrente e presente, motivando graves violações de direitos humanos e crimes hediondos. As desigualdades de gênero estão, ainda, nas raízes de sofrimento físico e mental, violação e morte que atingem bilhões de mulheres de todas as idades, raças, etnias, religiões e culturas, em todo o planeta. 

É inaceitável que uma em cada três mulheres no mundo sofra violência em algum momento de suas vidas. As estatísticas brasileiras são horrendas: um estupro a cada 11 minutos; Uma mulher assassinada a cada duas horas (Anuário Brasileiro de Segurança Pública/FBSP, 2017); 503 mulheres vítimas de agressão a cada hora(Pesquisa Visível e Invisível: a vitimização das mulheres no Brasil – DataFolha/FBSP, 2017); 5 espancamentos a cada dois minutos(Mulheres Brasileiras no Espaço Público e Privado(FPA/SESC, 2010), dados compilados no Dossiê Violência Contra as Mulheres, do Instituto Patrícia Galvão. A violência contra as mulheres não conhece barreiras geográficas, econômicas e sociais, e acontece cotidianamente. 

Atendendo reivindicação de diversos movimentos de mulheres, unificados na Frente Feminista, a Assembleia Legislativa do Pará, através de sua Comissão de Direitos Humanos e Defesa do Consumidor, realiza amanhã, às 15h, no Teatro Maria Sylvia Nunes, da Estação das Docas, sessão especial alusiva ao Dia Internacional da Mulher com o tema “Pela Vida das Mulheres na Amazônia e pela Democracia. Nenhum Direito A Menos”, requerida em conjunto pelos deputados estaduais Carlos Bordalo (PT), presidente da Comissão de Direitos Humanos, e Márcio Miranda (DEM), presidente da Alepa. 

A Frente Feminista agrega mulheres de diversos movimentos e entidades, entre os quais a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Fórum de Mulheres da Amazônia ParaenseFederação dos Trabalhadores Rurais, Agricultores e Agricultoras (Fetagri), Movimento dos Atingidos pelas Barragens (MAB) e Articulação de Mulheres Brasileiras. 

A sessão da Alepa vai discutir a violência contra a mulher, assim como as políticas públicas para o enfrentamento ao problema. 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *