O Procurador-Geral de Justiça César Mattar Jr. inaugurou nesta quinta-feira, 16, o Núcleo Eleitoral do Ministério Público do Estado do Pará, que vai funcionar na sede das Promotorias de Justiça de Icoaraci, distrito de Belém. O coordenador será o promotor…

A desembargadora Maria de Nazaré Saavedra Guimarães, que se destaca pelo belo trabalho que desenvolve à frente da Comissão de Ações Judiciais em Direitos Humanos e Repercussão Social do Tribunal de Justiça do Estado do Pará, e que já coordenou…

Brega no Pará é coisa séria. Tem Brega Pop, Brega Calypso, Brega Marcante, Brega Saudade, Tecnobrega, Melody, Tecnomelody … Verdadeiro hino (música oficial dos 400 anos de Belém), não há quem desconheça o clássico Ao Por do Sol, eternizado na…

Uma reunião no Ministério Público do Estado do Pará colocou em pauta a situação caótica da Unidade de Conservação Estadual Área de Proteção Ambiental da Ilha do Combu, onde proliferam construções e empreendimentos comerciais irregulares, transporte fluvial desordenado, festas e…

Pedido tombamento de chalé em Icoaraci


A Associação de Amigos do Patrimônio de Belém requereu hoje à Fumbel o tombamento do chalé em estilo eclético localizado na Av. Manoel Barata, nº 1482, esquina com a rua Berredos, no distrito de Icoaraci, como Patrimônio Histórico, Artístico, Ambiental e Cultural do Município de Belém.

AAPBEL justificou que, na passagem do século XIX para o século XX, Belém do Pará era uma espécie de “Paris Tropical” de acordo com a estética de uma elite que tinha como espelho as cidades e a vida urbana europeias. “Uma pequena parcela da sociedade, que de fato desfrutou de toda essa prosperidade, os chamados barões da borracha, parecia respirar os mesmos ares europeus, proporcionando à capital paraense uma época de luxo, ostentação e busca pela modernidade. As transformações não se deram apenas no espaço urbano, com a renovação e construção de equipamentos, praças, calçamentos e sobretudo infraestrutura e serviços urbanos, mas a riqueza da borracha provocou também profundas alterações no comportamento social, no modo de vida e costumes citadinos.
A elite parauara procurou refletir toda a opulência e modernidade na arquitetura residencial urbana, processo que também transpôs para suas propriedades suburbanas, em geral casas de veraneio ou destinadas ao lazer do final de semana, onde essas famílias descansavam no sossego de seu recanto bucólico, nos arrabaldes ao longo da Estrada de Ferro Belém-Bragança, na antiga Vila Pinheiro, hoje distrito de Icoaraci e também na ilha de Mosqueiro”, ilustrou a Associação.   

O chalé situado à Av. Manoel Barata, nº 1482, esquina com Tv. Berredos, junto com outros mais notórios em Icoaraci, como o Chalé Senador Antônio Porfírio e o Chalé Tavares Cardoso, são testemunhos contundentes desse período, conhecido como Belle Époque, bem de inestimável valor histórico e por isso, pontua a AAPBEL, é inadmissível que corra o risco iminente de demolição ou desfiguração, para dar lugar a uma grande loja de comércio varejista, após ter sido vendido para a rede de supermercados Líder. 

A isso se soma o fato de que, apesar de manter características históricas de interesse à preservação, o chalé está localizado em área bem distante do Centro Histórico de Belém, única área de proteção patrimonial determinada por legislação municipal e federal. Além disso, por não haver nenhum tombamento nem na área de entorno do prédio, nada obriga o atual proprietário a preservar o bem e suas características originais, o que exige do poder público ações urgentes para garantir seu reconhecimento por parte da sociedade, como Patrimônio Histórico e Arquitetônico de Belém. 

Eu apoio!

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *