Barcos regionais a motor, veleiros, vigilengas, rabetas, bajaras, canoas ubás, igarités, catraias, botes fazem parte da memória afetiva, produtiva e econômica parauara, navegando pelo oceano Atlântico, baías, rios que mais parecem mares, lagos, igarapés, furos, estreitos, igapós e campos alagados…

Embora o Quartel Tiradentes esteja localizado no coração do bairro do Reduto, sediando o 2º BPM e duas Companhias da Polícia Militar do Pará, os meliantes parecem desafiar abertamente os policiais. Os assaltos no bairro continuam muito frequentes, principalmente no…

Douglas da Costa Rodrigues Junior, estudante de Letras - Língua Portuguesa da Universidade Federal do Pará e bolsista do Museu Paraense Emílio Goeldi, ganhou a 18ª edição do Prêmio Destaque na Iniciação Científica e Tecnológica na área de Ciências Humanas…

O Ministério Público do Trabalho PA-AP abrirá na segunda-feira inscrições para Estágio de Nível Superior. A seleção será destinada ao preenchimento de vagas e formação do quadro de reserva de estagiários dos cursos de Administração/Gestão Pública, Biblioteconomia, Direito, Jornalismo, Publicidade/Propaganda…

Pará é destaque em óperas no Brasil

Ao lado de São Paulo e do Rio de Janeiro, o Pará está no topo do ranking brasileiro de montagens de óperas, tal a qualidade do trabalho. O renomado crítico Leonardo Marques escolheu os Melhores do Ano  e elegeu como “grande destaque do ano o Festival de Ópera do Theatro da Paz, pela programação ousada, com a encenação de três óperas nunca ou quase nunca apresentadas no Brasil.” Sobraram elogios para o maestro Miguel Campos Neto, regente da Orquestra Sinfônica do Theatro da Paz e para a cantora lírica paraense Adriane Queiroz.

Confiram:

– Melhor produção de ópera: Le Nozze di Figaro (As Bodas de Fígaro), no Theatro São Pedro(SP), que reuniu excelentes solistas e uma encenação de alto nível. 

– Melhor concepção e direção cênica: Caetano Vilela, por seu belíssimo trabalho em Mefistofele, no Theatro da Paz.

– Melhor cenógrafa: Duda Arruk, por Otello, no Theatro da Paz, simplesmente porque não tem concorrente no momento entre os cenógrafos brasileiros. 

– Melhor figurinista: Fábio Namatame, por seus trabalhos nas óperas Le Nozze di Figaro (T. São Pedro), Otello (Theatro da Paz) e Carmen (Theatro Municipal do Rio de Janeiro). 

– Melhor iluminador: Caetano Vilela, por Mefistofele, no Theatro da Paz. 

– Melhor regente: John Neschling, pelas três óperas que regeu no Theatro Municipal de São Paulo, e, mais especificamente, por sua brilhante direção musical de Salomé. Destaco ainda outros como: Sílvio Viegas (Otello, no T. da Paz), Luiz Fernando Malheiro (Le Nozze di Figaro, no T. São Pedro) e Isaac Karabtchevsky (Madame Butterfly, no TMRJ). Merece também registro o jovem regente Miguel Campos Neto, que conduziu Mefistofele com propriedade (T. da Paz). Neschling, porém, pairou acima de todos neste ano.
– Melhor orquestra: Orquestra Sinfônica Municipal, por sua atuação nas seis óperas da temporada lírica do Theatro Municipal de São Paulo e, mais especificamente, pela memorável interpretação de Salomé. Será muito difícil para qualquer conjunto brasileiro, no curto prazo, tirar da OSM o título de melhor orquestra de ópera do país. 

– Melhor cantor: empate entre Fernando Portari, por suas atuações como Fausto (Mefistofele, no Theatro da Paz); Don José (Carmen, no TMRJ – não o vi no TMSP); e Pinkerton (Madama Butterfly, no TMRJ) e Rodrigo Esteves, por suas atuações como Iago (Otello, no Theatro da Paz); Figaro (Le Nozze di Figaro, no T. São Pedro); e Ford (Falstaff, no TMSP). 

– Melhor cantora: Adriane Queiroz, por sua Margherita em Mefistofele, no Theatro da Paz. Ela participou de apenas dois atos da ópera. Foi o suficiente. Uma pena eu não a ter ouvido em São Paulo como Alice Ford em Falstaff (assisti apenas ao elenco da estreia). 

– Revelação: Carla Cottini, por sua Susanna em Le Nozze di Figaro (T. São Pedro). 

*Para os destaques individuais, foram considerados apenas artistas brasileiros. 

Leonardo Marques garantiu: “São Paulo e Belém são os grandes destaques. O Festival de Ópera do Theatro da Paz seguiu em 2014 sua trajetória ascendente. Se, por um lado, manteve suas três montagens tradicionais (realizadas em apenas dois meses, registre-se), por outro, apostou em títulos não muito comuns nos nossos teatros (Mefistofele, Blue Monday e Otello), e todos foram muito bem produzidos e bem recebidos – o que demonstra, também, a evolução do público paraense. Belas encenações, excelentes vozes, uma orquestra cada vez melhor e com sonoridade mais coesa marcaram a última edição deste importantíssimo festival”.

Já Marco Antônio Seta destaca em sua crítica desta semana a descentralização do eixo São Paulo-Rio na produção de ópera, salientando os espetáculos montados em Belém. “O Theatro da Paz, na realização do seu XIII Festival de Ópera, se destacou pela produção de vários espetáculos contando com um super elenco de artistas renomados. Apresentou Mefistofele, de Boito, com a brilhante presença do baixo russo Denis Sedov, que se destacou na interpretação do enviado de Satanás. Brilharam a soprano paraense Adriane Queiroz e o tenor Fernando Portari, sob a direção cênica e iluminação de Caetano Vilela”.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *