0
Só dois mandados de prisão da Operação Madeira Limpa não foram cumpridos e dois madeireiros estão foragidos. Os servidores federais presos são Francisco Elias Cardoso do Ó, João Batista, José Maurício e Álvaro Pimentel, do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente(IBama), em Belém e Adriano Minello e Luiz Bacelar Guerreiro Júnior, do Incra. Foram apreendidos carros de luxo, jet skis, documentos e computadores. O grupo é acusado de coação, receptação qualificada de madeira, subtração de bem público, corrupção passiva, corrupção ativa, organização criminosa, falsidade ideológica, estelionato e crimes ambientais. 

De acordo com o MPF, a quadrilha concentrava os negociantes de créditos florestais fictícios (os “papeleiros”) e empresas que recebiam a madeira extraída ilegalmente, também atuava diretamente com o desmatamento, sob a permissão de servidores do Incra, inclusive vendendo informações privilegiadas sobre fiscalizações realizadas por órgãos ambientais e liberação irregular de empresas com pendências nessas instituições. 
Franssinete Florenzano
Jornalista e advogada, membro da Academia Paraense de Jornalismo, da Academia Paraense de Letras, do Instituto Histórico e Geográfico do Pará, da Associação Brasileira de Jornalistas de Turismo e do Instituto Histórico e Geográfico do Tapajós, editora geral do portal Uruá-Tapera e consultora da Alepa. Filiada ao Sinjor Pará, à Fenaj e à Fij.

CEV teve que adiar sessão temática

Anterior

Jatene anuncia hoje pacote de medidas

Próximo

Vocë pode gostar

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *