Governador do Pará e presidente do Consórcio de Governadores da Amazônia Legal, Helder Barbalho está com agenda intensa em Brasília, e em reunião com Lula nesta sexta-feira (27) apresentou documento proposto pelo CAL. Para o desenvolvimento regional do bioma amazônico,…

O Papa Francisco nomeou o atual bispo da prelazia de Marajó (PA), Dom Evaristo Pascoal Spengler, bispo de Roraima (RR), que estava sem titular há um ano, desde a transferência de Dom Mário Antônio da Silva para a arquidiocese de…

Utilizar o futebol como ferramenta de transformação social para crianças e adolescentes de todo o Pará é o objetivo do projeto "Futebol Formando Cidadão", que será lançado neste domingo (29) no oeste paraense. A iniciativa é do Tapajós Futebol Clube,…

No próximo sábado, 28, é o Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo. Esta semana, foram divulgados dados da Secretaria de Inspeção do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) referente a 2022, quando foram resgatados 2.575 trabalhadores em condições análogas…

Operação Carne Fraca é a maior da história da PF

Quando se pensa que não há mais novidade no oceano de corrupção existente no Brasil, eis que a Operação Carne Fraca – a maior em toda a história da Polícia Federal – desarticula organização criminosa liderada por fiscais agropecuários federais e empresários do agronegócio. Nada menos que 1100 agentes e delegados da PF cumpriram hoje 309 mandados expedidos pela 14ª Vara da Justiça Federal de Curitiba/PR, sendo 27 de prisão preventiva, 11 de prisão temporária, 77 de condução coercitiva e 194 de busca e apreensão, em residências e locais de trabalho dos investigados e em empresas ligadas ao grupo, em 7 estados: São Paulo, Distrito Federal, Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Minas Gerais e Goiás. 

Em quase dois anos de investigação, foi comprovado que as Superintendências Regionais do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, do Paraná, Minas Gerais e Goiás atuavam diretamente para lucros astronômicos de grupos empresariais, em detrimento do interesse público e, principalmente, da saúde da população. Os frigoríficos investigados vendiam carne vencida no Brasil e no Exterior. Produtos químicos eram usados para ‘maquiar’ carnes estragadas. Para se ter uma ideia da gravidade do crime, injetavam água para aumentar o peso dos produtos, inseriam papelão em lotes de frango e carne de cabeça de porco em linguiça, usavam ácidos e outros produtos químicos e até produtos cancerígenos para esconder as características físicas e o mau cheiro das carnes. 
Estão envolvidas grandes empresas do setor, como a BRF Brasil, que controla Sadia e Perdigão, e também a JBS, que detém Friboi, Seara, Swift, entre outras marcas. Também estão no meio frigoríficos menores, como Big Frango Indústria e Com. de Alimentos Ltda., Dagranja Agroindustrial Ltda./Dagranja S/A Agroindustrial E.H., Constantino Frango a Gosto, Frigobeto Frigoríficos e Comércio de Alimentos Ltda., Frigomax- Frigorífico e Comércio de Carnes Ltda., Frigorífico 3D Frigorífico Argus Ltda., Frigorífico Larissa Ltda., Frigorífico Oregon S.A., Frigorífico Rainha da Paz, Frigorífico Souza Ramos Ltda., Mastercarnes, Novilho Nobre Indústria e Comércio de Carnes Ltda., Peccin Agroindustrial Ltda., Italli Alimentos Primor Beef, JJZ Alimentos S.A., Seara Alimentos Ltda., Unifrangos Agroindustrial S.A., Companhia Internacional de Logística Breyer e Cia Ltda., e Fábrica de Farinha de Carne Castro Ltda. EPP

O juiz federal Marcos Josegrei da Silva, da 14ª Vara Federal de Curitiba, disse que o Ministério da Agricultura foi tomado de assalto por um grupo de indivíduos que traem reiteradamente a obrigação de efetivamente servir à coletividade. 

O esquema no Paraná era comandado pelo ex-superintendente regional do Ministério, Daniel Gonçalves Filho, e pela chefe do Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal (Dipoa), Maria do Rocio Nascimento. Na casa do superintendente regional do Ministério da Agricultura, Gil Bueno, a polícia apreendeu R$ 65 mil. Os três são alvos de prisão preventiva. 

Tudo começou a ser desvendado a partir da denúncia de um fiscal que não aceitou ser transferido de cidade e se queixou ao sindicato por assédio moral de Maria do Rocio. A remoção do funcionário era para atender aos interesses das empresas.
Em Goiás, o esquema operava liderado pelo chefe do Dipoa, Dinis Lourenço da Silva. 

De acordo com a PF, parte da propina ia para o PMDB e o PP. O PMDB informou que desconhece o teor da investigação, e o PP ainda não se manifestou. 

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *