Na terça-feira da semana passada (19), quando estava em votação no plenário da Assembleia Legislativa projeto de Indicação de autoria da deputada Professora Nilse Pinheiro transformando o Conselho Estadual de Educação em autarquia, detentora de autonomia deliberativa, financeira e administrativa,…

A desgraça sempre chega a galope, mas tudo o que é bom se arrasta indefinidamente no Brasil, o país dos contrastes e contradições, rico por natureza, com poucos bilionários e povo abaixo da linha da pobreza. Parece inacreditável, mas tramita…

O prefeito de Oriximiná, Delegado Willian Fonseca, foi reconduzido ao cargo pelo juiz titular da Vara Única daComarca local, Wallace Carneiro de Sousa, e literalmente voltou a tomar posse nos braços do povo. Era por volta do meio-dia, hoje (26),…

A equipe multidisciplinar do centro obstétrico da Fundação Santa Casa de Misericórdia do Pará, em Belém (PA), vivenciou uma experiência rara e emocionante: o parto empelicado. Imaginem um bebê nascendo dentro da placenta intacta, com os movimentos visíveis, praticamente ainda…

Oitiva de Telma Lobo e Violeta Loureiro

Violeta Refkalefsky Loureiro e Telma Lobo depõem, hoje, à Comissão Estadual da Verdade do Pará, às 16h, no Seminário “As Mulheres e a Resistência no Pará”. 

Telma Lobo, a “Manuela” do PCB,  na juventude era avessa
a posturas socialistas. Na época, o termo “comunista” era satanizado pela mídia. Foi durante o movimento das “Diretas Já”, em 1984, que se engajou e foi presa pela Polícia Federal e Polícia Militar, 
ao usar camisetas pedindo a legalidade do PCB.
Alegaram que era subversiva. Dividiu espaço na cadeia com o sindicalista dos
petroleiros Sá Pereira, o vereador comunista
Humberto Cunha e deputado Ademir Andrade. Atualmente é professora universitária em Castanhal. 

Violeta Refkalefsky Loureiro casou em 1966 com o poeta João de Jesus Paes Loureiro, que tinha sido libertado de
uma das prisões sofridas bem na véspera do casamento. Era um noivo muito pálido, não pela emoção da cerimônia do casamento, mas pela falta de sol na cela da Quinta Companhia de Guardas, que hoje é a Casa das Onze Janelas, ponto turístico de Belém, dentro do projeto Feliz Lusitânia.
Estudou no Rio de Janeiro e Belém. Esteve sempre imbricada com a resistência e, embora não militasse em passeatas, nunca abriu mão do espaço da sala de aula para fazer Sociologia crítica e militante.



ATUALIZAÇÃO: por razões pessoais das duas depoentes, a oitiva não poderá ser realizada e será remarcada.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *