Em iniciativa inédita, o Fórum de Entidades em Defesa do Patrimônio Cultural Brasileiro celebra os percursos individuais e coletivos que construíram as políticas de salvaguarda do patrimônio cultural no Brasil, lançando a obra “Em Defesa do Patrimônio Cultural”, organizado por…

Neste sábado, 16, postos de saúde ficarão abertos para a vacinação com foco em menores de 15 anos. Em Belém, 11 unidades vão funcionar das 8h às 14h. A campanha da Multivacinação iniciou no dia 04 de outubro e segue…

De autoria do carnavalesco e professor Paulo Anete, o enredo para o Carnaval 2022 da Escola de Samba Grêmio Recreativo Carnavalesco e Cultural Os Colibris, de Belém do Pará, é “Zélia Amada/ Zélia de Deus/ Zélia das Artes/ Herdeira de…

Batizada de sagui-de-Schneider (Mico schneideri), em homenagem ao pesquisador brasileiro Horácio Schneider (1948-2018), geneticista da Universidade Federal do Pará e pioneiro da filogenética molecular de primatas, a descoberta alvoroçou a comunidade científica internacional. A nova espécie de sagui amazônico do…

O verdadeiro Çairé

Ao divulgar a sanção à lei que tornou o Çairé Patrimônio Cultural e Artístico do Pará, a comunicação da Paratur informa que “a Festa do Sairé ocorre anualmente na primeira quinzena de setembro em Alter-do-Chão, situado a 32 km de Santarém, no Sairódromo, local destinado ao público e palco do duelo entre os representantes dos Botos Tucuxí e Cor de Rosa, que dividem a atenção e torcida da população de Santarém. Segundo os historiadores, o Sairé possui mais de 300 anos representando uma das festividades mais antigas da Amazônia e atrai turistas das mais diversas nacionalidades”. Acontece que o Çairé nunca foi um duelo de botos – atração inventada há alguns anos para turistas. Çairé era um baile indígena (puracê), desde o primeiro século da colonização, espécie de dança de roda conduzida por um “arco” – motivo indígena, seu centro geométrico, com diâmetro e raios assinalados em algodão e fitas vermelhas pendentes, ornamentado com uma cruz forrada e enfeitada, revelando o símbolo católico que o jesuíta acrescentou ao outro símbolo pagão. Alter do Chão era uma aldeia dos índios Borari. O Çairé conta, através da dança e do canto, como a fé católica foi usada para catequizar o índio e dominá-lo. O cântico triste, monótono e rouco, tem os versos “Ito camuti pupé neiassucá pitani puranga ité”, assim traduzidos: “Em uma pia de pedra foi batizado um belo menino”. E logo o estribilho por todos repetido: “É Jesus, é Santâ Maria.”Santa Maria cunhã poranga imembira iaué catu, iputira ipop”.Tradução:”Santa Maria é uma mulher bonita e seu filho como ela, com uma flor na mão”. O Çairé foi incorporando danças e folguedos populares. De 1943 a 1973 foi proibido pela Igreja católica. Era em julho e passou para setembro porque nessa época as praias estão em seu ápice, no verão amazônico. Nada de botos entre os personagens. O Juiz e a Juíza são as figuras principais. Tem o Procurador e a Procuradora, o Capitão, os Rufadores de Caixa, os Alferes, os Mordomos e Mordomas, o Sargento e a Saraipora, que é a mulher que conduz o Çairé.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *