Na terça-feira da semana passada (19), quando estava em votação no plenário da Assembleia Legislativa projeto de Indicação de autoria da deputada Professora Nilse Pinheiro transformando o Conselho Estadual de Educação em autarquia, detentora de autonomia deliberativa, financeira e administrativa,…

A desgraça sempre chega a galope, mas tudo o que é bom se arrasta indefinidamente no Brasil, o país dos contrastes e contradições, rico por natureza, com poucos bilionários e povo abaixo da linha da pobreza. Parece inacreditável, mas tramita…

O prefeito de Oriximiná, Delegado Willian Fonseca, foi reconduzido ao cargo pelo juiz titular da Vara Única daComarca local, Wallace Carneiro de Sousa, e literalmente voltou a tomar posse nos braços do povo. Era por volta do meio-dia, hoje (26),…

A equipe multidisciplinar do centro obstétrico da Fundação Santa Casa de Misericórdia do Pará, em Belém (PA), vivenciou uma experiência rara e emocionante: o parto empelicado. Imaginem um bebê nascendo dentro da placenta intacta, com os movimentos visíveis, praticamente ainda…

O ultraje a Belém do Pará

Fotos: Dulce Rosa Rocque
A ativista social Dulce Rosa de Bacelar Rocque, presidente da Associação Cidade Velha-Cidade Viva, descansa carregando pedras. Outro dia se dispôs a “‘passear” por órgãos públicos, juntamente com dirigentes de outras associações que se interessam pelos problemas da cidade, como a AAPBel, Associação de Amigos do Patrimônio de Belém, capitaneada por Nádia Cortez Brasil, e o Movimento Orla Livre, que congrega várias entidades.
Descobriram, assim, que a rua Félix Rocque, ex-travessa da Vigia, em pleno centro histórico de Belém do Pará, foi autorizada a virar um funil.
É que, no cartório, ao invés de 4,07 metros escreveram 4,70 m, esse documento foi levado para a Superintendência do Patrimônio da União, que se calou e permaneceu a medição errada. Confrontando dois atos, no mais velho estava escrito que o terreno tinha 12,22m em ambas as extremidades (Siqueira Mendes e beira do rio). Mas no documento sucessivo a beira do rio já media 12,83m. E ninguém, claro, notou isso à época dos fatos.
A pequena calçada que ali tinha foi engolida, o acesso ao rio, barrado, e os casarões estão literalmente caindo aos pedaços, desfigurados.
As autorizações foram dadas e o funil, com seus paredões, está lá, para todos verem o que se pode fazer em área tombada, apesar das reclamações diárias dos cidadãos e da combativa Dulce Rosa, o exemplo perfeito do ditado que é fácil ser revolucionário aos 18, raro é sê-lo aos 70. Vejam as fotos que ela mesma fez.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *