0

A construção do Porto Brasil, megaempreendimento de Eike Batista no litoral sul paulista, foi parar no STF. O desembargador Fábio Prieto, do TRF da 3ª região, decidiu ontem que esse é um caso de “conflito federativo” entre o Estado de São Paulo, que licencia a obra, e a Funai – para quem a área do porto é terra indígena em processo de demarcação. O projeto da LLX, empresa do Grupo EBX, está orçado em US$ 2 bilhões e prevê a construção de um porto privativo com 11 berços e até uma ilha artificial.

Franssinete Florenzano
Jornalista e advogada, membro da Academia Paraense de Jornalismo, da Academia Paraense de Letras, do Instituto Histórico e Geográfico do Pará, da Associação Brasileira de Jornalistas de Turismo e do Instituto Histórico e Geográfico do Tapajós, editora geral do portal Uruá-Tapera e consultora da Alepa. Filiada ao Sinjor Pará, à Fenaj e à Fij.

Aventura gastronômica

Anterior

Prainha em alta

Próximo

Vocë pode gostar

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *