O presidente da Assembleia Legislativa, deputado Chicão, convocou e empossou Torrinho Torres, primeiro suplente do Podemos, na vaga do deputado Igor Normando, que está licenciado para exercer o cargo de secretário de Estado de Articulação da Cidadania. O novo parlamentar…

Reconhecimento máximo da Associação Paulista de Críticos de Artes a obras de Literatura, Música popular, Arquitetura, Artes Visuais, Cinema, Dança, Rádio, Teatro, Teatro Infantojuvenil e Televisão, o Prêmio IPCA, anunciado na segunda-feira, 6/2, contemplou o livro de contos “Eu já…

A sesquicentenária samaumeira que perdeu seus galhos na madrugada desta segunda-feira (6) é memória afetiva de todos os paraenses e até de gente de fora do Pará e do Brasil que frequenta Belém durante o Círio de Nazaré. Localizada em…

O Tribunal Regional Eleitoral do Pará oficializou o resultado da eleição suplementar em Viseu 39 minutos após o encerramento da votação. Foi eleito prefeito Cristiano Vale (nº 11 – PP – Voltando pra Cuidar da Gente) e vice-prefeito Mauro da…

O porvir do Lago do Maicá

Fotos de Emi Okada Pereira
Santarém do Pará impressiona por sua beleza ímpar. São tantos os seus encantos naturais que, se bem explorados, poderiam – e deveriam – ser a grande alavanca a impulsionar o desenvolvimento do município. O turismo, indústria sem chaminé, desabrocharia seus mais fascinantes ângulos. Acontece que o rumo da História tem apontado triste sina para tão deslumbrante lugar. O aeroporto internacional – ainda hoje uma luta inglória para que seja digno do nome – foi construído em cima da praia da Maria José, cantada e decantada pelos poetas. O terminal graneleiro da Cargill foi erguido em plena orla da cidade sem qualquer estudo de impacto ambiental, ao arrepio da Constituição e da legislação ambiental. Igarapés assoreados, o lago do Juá contaminado, o próprio rio Tapajós – eleito o mais belo do mundo – sob ameaça constante dos rejeitos do ouro lavado nos garimpos da região. O quadro é desolador. A bola da vez é o lago Maicá, santuário ecológico onde a natureza explode em cores a cada amanhecer e por do sol, nas suas imensas vitórias-régias em flor formando um tapete mágico, na placidez de suas águas quebrada apenas pelos remos dos pescadores artesanais, no voo suave dos pássaros, os peixes saltitando em cardumes, fauna e flora em plena exuberância amazônica.

Pois bem, nesse lugar paradisíaco – Área de Proteção Ambiental (APA) nos termos da lei -, onde vivem centenas de famílias ribeirinhas, pelo menos duas multinacionais pretendem instalar terminais graneleiros. A ameaça já começa a se concretizar. “Seu” Sabá, velho agricultor, pescador, guia turístico e morador há trinta anos do Lago do Maicá, logo perderá sua casa e seu modo de viver. Ele já foi notificado de que a sua morada tem dono: uma das empresas que pretende construir terminais graneleiros lá. Outros ribeirinhos também foram avisados de que a área será desapropriada e as famílias terão que ser removidas para outro local. 

Desde 2013, a Empresa Brasileira de Portos em Santarém (Embraps) começou a realizar pesquisas na chamada Grande Área do Maicá, com vista à construção de Terminal de Uso Privado (TUP), modalidade prevista na Lei nº 12.815/2013, a nova Lei do Portos. Porém, como sempre, a população não foi consultada. Comunidades quilombolas, indígenas e ribeirinhas serão afetadas. Ações de Reintegração de Posse e até de Usucapião tentam expulsar famílias que ocupam tradicionalmente o bairro. O destino de ‘Seu” Sabá e vizinhos é incerto e triste. É a (des)dita de Santarém, seu fadário. Fatalidade, fortuna ou desgraça?

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *