As eleições de 2022 coincidem com o bicentenário da Independência e os 90 anos de conquista do direito do voto feminino, ocorrida em 24 de fevereiro de 1932. Durante todo o Império, as brasileiras não puderam votar e somente 43…

O Ecomuseu da Amazônia, da Fundação Escola Bosque (Funbosque) promoveu no domingo, 25, na Ilha de Cotijuba, o roteiro patrimonial, pelo encerramento da 16ª Primavera dos Museus. Os visitantes conheceram o pólo do Ecomuseu, a história de Cotijuba, que passa…

A prefeitura de Portel, em parceria com a Secretaria de Estado de Desenvolvimento Agropecuário e da Pesca, lançou na sexta-feira passada (23) o projeto Marajó Sustentável, aliado ao Programa de Desenvolvimento da Cadeia Produtiva da Seringueira no Estado do Pará…

As dunas em volta do apelidado “lago da Coca-Cola”, em Salinópolis (PA), estão sofrendo progressiva destruição e nenhum órgão fiscalizador está empenhado em conter esse desastre. Moradores locais e até veranistas já apelaram à Polícia Civil, ao Corpo de Bombeiros…

O escândalo dos carros da PM doados

A prisão da coronel e diretora de apoio logístico da Polícia Militar e do sargento Raimundo
Nonato Sousa Lima, auxiliar do Centro de Suprimento e Manutenção da PM, pôs a
nu a falta de integração da própria Segup. É que, embora integrantes da Corporação
fossem alvos – quem sabe, até justamente
por isso?
– o comandante geral da PM, coronel Daniel Mendes, não foi
informado da operação “Rosa Vermelha“,
da Polícia Civil, comandada pelo delegado geral Nilton Atayde, destinada a
desbaratar a quadrilha que desviava veículos doados para instituições sem fins
lucrativos, entre elas a Fundação Pestalozzi do Pará.
O mínimo que se espera de um governo
que prega um pacto pelo Pará é que as polícias trabalhem juntas dentro da
Secretaria à qual estão vinculadas. Até porque é o caso da corregedoria da PM
abrir inquérito, além do devido processo via Ministério Público militar.
Enfim, o esquema há muito denunciado, que
envolve colaboração de servidores públicos, laudos de avaliação fraudulentos e
fraude na regularização da documentação deles, caiu. Um dos presos, o corretor
Nicanor Joaquim da Silva, é o principal investigado. Também foram presos Rubervaldo
da Silva Moreira, ex-diretor de Transporte da Segup e da Sespa; Márcia
Miranda Gomes, esposa de Nicanor; e José Henrique Pereira. A ex-diretora da
Fundação Pestalozzi, Maria Ierecê Santiago Mendes, foi indiciada por falsidade
ideológica e estelionato. Ela permitiu que os carros que deveriam beneficiar a
instituição fossem vendidos sem autorização da assembleia geral.
A coronel Ruth Léa recebia os
documentos de entrada e saída dos veículos e organizava tudo para a quadrilha.
O promotor Aldir Viana, que teve acesso à documentação da denúncia por proteger
os direitos humanos das crianças atendidas pela Fundação Pestalozzi, adianta
que há indícios de ramificações da trama dentro do Detran de Belém, que “esquentava” os veículos, que continuavam
trafegando livremente, em outras praças.
Os promotores de
justiça Nelson Medrado e Sávio Brabo foram os primeiros a puxar o novelo das falsas doações, revelando a rede de corrupção.
Ainda tem muito fio a ser exposto. A
conferir até onde vai a polícia.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *