O presidente da Assembleia Legislativa, deputado Chicão, convocou e empossou Torrinho Torres, primeiro suplente do Podemos, na vaga do deputado Igor Normando, que está licenciado para exercer o cargo de secretário de Estado de Articulação da Cidadania. O novo parlamentar…

Reconhecimento máximo da Associação Paulista de Críticos de Artes a obras de Literatura, Música popular, Arquitetura, Artes Visuais, Cinema, Dança, Rádio, Teatro, Teatro Infantojuvenil e Televisão, o Prêmio IPCA, anunciado na segunda-feira, 6/2, contemplou o livro de contos “Eu já…

A sesquicentenária samaumeira que perdeu seus galhos na madrugada desta segunda-feira (6) é memória afetiva de todos os paraenses e até de gente de fora do Pará e do Brasil que frequenta Belém durante o Círio de Nazaré. Localizada em…

O Tribunal Regional Eleitoral do Pará oficializou o resultado da eleição suplementar em Viseu 39 minutos após o encerramento da votação. Foi eleito prefeito Cristiano Vale (nº 11 – PP – Voltando pra Cuidar da Gente) e vice-prefeito Mauro da…

O arrocho fiscal na classe média

É de fazer corar de indignação. No Brasil, o topo da pirâmide social paga menos impostos que a classe média, proporcionalmente à renda. Só para se ter uma ideia, um servidor público que ganha R$ 5 mil desconta 27,5% de IRPF. Já um grande empresário que recebe R$ 300 mil a título de distribuição de lucros e dividendos não paga nada. À medida em que sobe a faixa de renda, as alíquotas para os muito ricos caem. Quem prova isto são os pesquisadores Sérgio Gobetti e Rodrigo Orair, do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), cujos estudos revelam a vergonhosa realidade que aumenta ainda mais a desigualdade social: os 71.440 brasileiros que ganham mais de R$ 1,3 milhão por ano declararam uma renda média de R$ 4,2 milhões e pagaram apenas 6,7% sobre toda a sua renda. Já as pessoas que ganham entre R$ 162,7 mil e R$ 325,4 mil pagaram em média 11,8%. 

Uma receita de mais de R$ 43 bilhões ao ano. É esse o montante que o governo poderia arrecadar com a cobrança de imposto de 15% sobre lucros e dividendos recebidos por donos e acionistas de empresas. Até 1995 havia tributação sobre dividendos no Brasil. A justificativa para a isenção, à época, foi evitar que o lucro já tributado na empresa, que paga Imposto de Renda da Pessoa Jurídica, fosse novamente taxado quando se convertesse em renda pessoal, com a distribuição de dividendos. Com a isenção, grande parte do que ganham os ricos simplesmente não é tributada. 

Em todo o mundo, apenas Brasil e Estônia isentam totalmente os dividendos. Quem diz isto não é um tucano, e sim o presidente da Subcomissão Permanente de Avaliação do Sistema Tributário Nacional, senador Lindbergh Farias (PT-RJ), autor do Projeto de Lei do Senado nº 588/2015, que prevê a cobrança de Imposto sobre a Renda Retido na Fonte (IRRF) com alíquota de 15% sobre a distribuição de lucros e dividendos a pessoas físicas e jurídicas. A isenção seria mantida apenas para empresários cujas empresas estejam inscritas no Simples. 

Para os pesquisadores, a criação de novas alíquotas de Imposto de Renda de até 45% em discussão pelo governo federal não corrigiria a distorção porque elas só incidiriam sobre os salários. Uma maior justiça tributária só viria se as novas faixas fossem associadas à taxação sobre os dividendos.
Durante debate no Senado, os economistas também criticaram a possível volta da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF), afirmando que esse tipo de contribuição é regressiva porque, proporcionalmente à renda, os pobres pagam mais que os ricos.
Isso acontece porque a renda dos que ganham menos é quase totalmente comprometida com bens de consumo, que tiveram incidência da contribuição em várias fases do processo de produção. Já os ricos têm boa parte da renda livre e pagam a CPMF apenas uma vez sobre essa parcela, ao aplicar nos bancos.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *