Vanete Oliveira, 28 anos, mãe de cinco filhos, vive em Portel, município do arquipélago do Marajó(PA). Ela sofre há catorze anos dores atrozes além do desconforto, trauma e todo tipo de dor física e psicológica, por conta de um tumor…

As Diretorias de Combate à Corrupção e de Polícia do Interior da Polícia Civil do Pará prenderam hoje (28), no Distrito Federal, durante a Operação "Litania”, uma falsa empresária e sócios-proprietários que utilizavam empresa de fachada como instituição financeira para…

A Secretaria de Estado da Fazenda do Pará publicou extrato de dispensa de licitação para contratar a Prodepa, por R$800.427,88, a fim de desenvolver novo site da Transparência do Governo do Pará, com criação de nova arquitetura de informação, navegação…

Andar de motocicleta proporciona histórias, experiências e adrenalina. Motos oferecem facilidade de locomoção rápida e de conseguir estacionamento. Mas a liberdade é, sem dúvida, o motivo número 1 de todo motociclista. Sentir o vento, o clima, fazer parte da paisagem. Este é…

No dos outros…

A.E.C.M.V. ajuizou ação contra o Estado do Pará e o município de Belém para o fornecimento gratuito e ininterrupto do medicamento “Sutent“, indicado para tratamento de doença incurável do qual é portador. Ele teve câncer de rim, que foi extraído, mas há metástases em várias partes do corpo. Procurou tratamento médico junto a hospitais de referência de São Paulo, onde lhe foi indicado o medicamento, não disponibilizado pelo Estado, com custo mensal de R$ 20 mil, com o qual não pode arcar.

Ao deferir tutela antecipada determinando o fornecimento do medicamento, sob pena de multa diária de R$ 10 mil, no caso de descumprimento da decisão, a juíza da 3ª Vara de Fazenda Pública de Belém disse que não permitir o tratamento seria desrespeitar a vida do envolvido, além de não ser ético tampouco legal a convivência do paciente com tamanho sofrimento. O Estado contestou a ação e interpôs Agravo de Instrumento com pedido de efeito suspensivo, que foi arquivado pelo TJE-PA.
Agora, aportou no STF recurso pedindo que seja suspensa a execução da decisão, alegando que, em nenhum momento, o Estado ofendeu quaisquer dos preceitos constitucionais, “já que, efetivamente, garante à população em geral e ao paciente em particular tais direitos, através do oferecimento de recursos médico-hospitalares, com tratamento clínico e remédios que o paciente não tem o direito de recusar – nem o Judiciário tem competência para excluir.”
A PGE argumenta que a decisão mantida pelo TJE-PA representa grave lesão à economia e à ordem públicas. Sustenta, ainda, que o autor não considerou outros tratamentos com medicamentos similares possíveis de serem adotados com a mesma eficácia pelo SUS, via Hospital Ofir Loyola, “altamente especializado no tratamento da enfermidade que acomete o paciente“, e que a droga prescrita não faz parte da listagem oficial de medicamentos a serem fornecidos pelo governo.

Cabe perguntar: por que é que, quando acometidos de câncer, os governantes e membros do alto escalão – aí está o exemplo Dilma Roussef – se socorrem dos medicamentos de última tecnologia e dos hospitais de São Paulo e dos EUA?

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *