0
Hoje, faz três meses que Henrica de Nazaré Poça Menezes, vendedora, mãe de 4 filhos, foi assassinada a facadas pelo ex-marido, Ednei Ferreira Araújo, que também feriu um dos filhos da vítima. Ela procurou a delegacia por duas vezes para denunciar o ex-marido que a ameaçava de morte, além de agredi-la fisicamente quase todo dia, mas seus apelos caíram no vazio.
No velório, além de chorar a perda, a mãe de Henrica gritou por justiça. E desde então, começou um movimento pela vida com o nome da filha, em defesa das mulheres violentadas, que tem apoio do Ministério Público e de sindicatos, associações, ongs, empresários, igrejas e políticos.
O “Movimento pela vida, Viva Henrica de Nazaré” realiza hoje audiência pública, no salão paroquial da igreja de Nossa Senhora de Nazaré, em Barcarena, para exigir das autoridades municipais e estaduais que a delegacia de mulheres seja implantada no município. Ednei está preso.
Franssinete Florenzano
Jornalista e advogada, presidente da Academia Paraense de Jornalismo, membro da Academia Paraense de Letras, do Instituto Histórico e Geográfico do Pará, da Associação Brasileira de Jornalistas de Turismo e do Instituto Histórico e Geográfico do Tapajós, editora geral do portal Uruá-Tapera e consultora da Alepa. Filiada ao Sinjor Pará, à Fenaj e à Fij.

Exemplo de luta

Anterior

Desejo nada secreto

Próximo

Vocë pode gostar

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *