Na terça-feira da semana passada (19), quando estava em votação no plenário da Assembleia Legislativa projeto de Indicação de autoria da deputada Professora Nilse Pinheiro transformando o Conselho Estadual de Educação em autarquia, detentora de autonomia deliberativa, financeira e administrativa,…

A desgraça sempre chega a galope, mas tudo o que é bom se arrasta indefinidamente no Brasil, o país dos contrastes e contradições, rico por natureza, com poucos bilionários e povo abaixo da linha da pobreza. Parece inacreditável, mas tramita…

O prefeito de Oriximiná, Delegado Willian Fonseca, foi reconduzido ao cargo pelo juiz titular da Vara Única daComarca local, Wallace Carneiro de Sousa, e literalmente voltou a tomar posse nos braços do povo. Era por volta do meio-dia, hoje (26),…

A equipe multidisciplinar do centro obstétrico da Fundação Santa Casa de Misericórdia do Pará, em Belém (PA), vivenciou uma experiência rara e emocionante: o parto empelicado. Imaginem um bebê nascendo dentro da placenta intacta, com os movimentos visíveis, praticamente ainda…

Não violência

20 anos depois da Convenção sobre os Direitos da Criança, ainda não há uma lei brasileira que elimine a violência contra meninos e meninas. Em abril deste ano, a Comissão Interamericana de Direitos Humanos, órgão da OEA, confirmou a obrigação de que todos os estados membros proíbam castigos físicos e humilhantes contra crianças, considerando-os incompatíveis com a Convenção Americana sobre Direitos Humanos e a Declaração Americana de Direitos e Deveres do Homem.

A Rede Não Bata, Eduque!, movimento social formado por instituições e pessoas físicas para mobilizar a sociedade pela erradicação dos castigos físicos e humilhantes no País, trabalha para o fim da prática da violência contra crianças adolescentes no meio familiar, escolar ou comunitário, a partir da construção de um plano nacional de enfrentamento ao problema que dissemine um novo modelo de educação.

Tratar dessa transgressão aos direitos humanos é um primeiro passo para inibir a violência em seu primeiro e mais importante estágio. Quando ensinamos às nossas crianças que é plausível e aceitável o uso da violência para resolver conflitos e diferenças e, principalmente, que é legítimo usar a posição de vantagem física ou simbólica sobre outra pessoa, perpetuamos uma cultura da violência. Os mesmos questionamentos em relação ao direito dos adultos a não sofrerem violação à sua dignidade, integridade física e psicológica precisam ser observados desde a mais tenra idade.

O tema figura na pauta dos debates, de 7 a 10 de dezembro, em Brasília, durante a VIII Conferência Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *