Governador do Pará e presidente do Consórcio de Governadores da Amazônia Legal, Helder Barbalho está com agenda intensa em Brasília, e em reunião com Lula nesta sexta-feira (27) apresentou documento proposto pelo CAL. Para o desenvolvimento regional do bioma amazônico,…

O Papa Francisco nomeou o atual bispo da prelazia de Marajó (PA), Dom Evaristo Pascoal Spengler, bispo de Roraima (RR), que estava sem titular há um ano, desde a transferência de Dom Mário Antônio da Silva para a arquidiocese de…

Utilizar o futebol como ferramenta de transformação social para crianças e adolescentes de todo o Pará é o objetivo do projeto "Futebol Formando Cidadão", que será lançado neste domingo (29) no oeste paraense. A iniciativa é do Tapajós Futebol Clube,…

No próximo sábado, 28, é o Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo. Esta semana, foram divulgados dados da Secretaria de Inspeção do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) referente a 2022, quando foram resgatados 2.575 trabalhadores em condições análogas…

MPF-PA atua em operação internacional

Que o Pará é rota do tráfico de drogas todo mundo sabe, embora pouca fiscalização seja feita. Mas a Operação Castello, articulada entre Polícia Federal, Ministério Público dos Países Baixos e Ministério Público Federal do Pará resultou na apreensão de 398 Kg de cocaína no Porto de Roterdã, além de 1,3 milhão de euros e prisão de nove pessoas, incluindo dois funcionários da Alfândega de Roterdã, suspeitos – vejam só! – de corrupção. Que coisa feia acontece na Holanda, não é? Foram também identificadas outras pessoas ligadas ao grupo criminoso, que atuava entre a América do Sul e a Europa. A operação foi coordenada pelo procurador da República no Pará Ubiratan Cazetta, membro do Grupo Executivo da Secretaria de Cooperação Internacional do MPF.  O Ministério Público da Holanda, em 31 de março,  ajuizou o pedido de ação controlada transnacional, para acompanhamento da remessa de droga pelo cargueiro Marfret Marajó, em viagem transoceânica.
No mesmo dia a Procuradoria da República no Pará requereu e obteve autorização da Justiça Federal em Belém. A entrega vigiada durou cerca de 15 dias. A droga estava camuflada entre uma carga de garrafas de água mineral. 

O procurador da República Ubiratan Cazetta explica que, com a ação controlada, foi possível conseguir resultados maiores e mais efetivos. Isto porque, em vez da mera apreensão da droga no Brasil, no porto de Belém – local de passagem da droga para Roterdã – ela foi liberada sob vigilância das polícias dos dois países e assim foi possível identificar atos de corrupção no Porto de Roterdã (funcionários da alfândega que recebiam propina para liberar a entrada da mercadoria no país) e identificar os integrantes da organização que transportava a droga e atuava na Holanda. Como outras unidades do MPF, a Procuradoria da República no Pará especializou dois ofícios em matéria de assistência internacional. A procuradoria de cooperação em matéria penal é ocupada pelo procurador da República Ubiratan Cazetta.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *