O Tribunal Regional Eleitoral do Pará oficializou o resultado da eleição suplementar em Viseu 39 minutos após o encerramento da votação. Foi eleito prefeito Cristiano Vale (nº 11 – PP – Voltando pra Cuidar da Gente) e vice-prefeito Mauro da…

Nem bem foi inaugurado, e ainda faltando a instalação dos bancos e finalização, o calçadão da Avenida Beira-Mar, em Salinópolis, sofreu diversas avarias. A Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Obras acionou a empresa responsável pela obra, que está executando ações…

A expectativa era grande em relação à ida do governador Helder Barbalho à Assembleia Legislativa para a leitura da Mensagem na instalação da 61ª Legislatura. Funcionou como uma espécie de termômetro da Casa, que abriga novos deputados na oposição, e…

Foram empossados hoje na Assembleia Legislativa do Pará os 41 deputados estaduais eleitos para a 61ª Legislatura (2023-2027). Em seguida houve eleição para a Presidência e a Mesa Diretora, em chapa única, tendo sido reeleito praticamente à unanimidade – por…

MPF denuncia 13 da Operação Menecma

Procurador da República Alan Mansur
procurador da República Alan Rogério Mansur denunciou à Justiça 13 envolvidos na Operação Menecma, em maio deste ano, acusados de fraudar documentos de recém-falecidos para sacar dinheiro ilegalmente.
Entre 2015 e 2016 o grupo desviou R$1,4 milhão de agências da Caixa Econômica Federal e do Banpará, em Belém e Ananindeua.

Conforme a ação criminal, eram sacados valores referentes a benefícios sociais como seguro-desemprego e bolsa família, dívidas judiciais do poder público (precatórios e requisições de pequeno valor), além de empréstimos fraudulentos. 

O esquema começava pelo levantamento em contas de recém-falecidos, feito por funcionários da Caixa e do Banpará.
Em seguida, a organização criminosa falsificava a documentação e fraudava os procedimentos necessários para os saques. Quando havia a necessidade de ir pessoalmente às agências, entravam em ação dublês dos falecidos.
O butim era diluído em diversas contas bancárias, a fim de não chamar a atenção dos sistemas de controle. 

O MPF requer penas de até 20 anos de prisão, além da devolução dos recursos desviados.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *