Embora o Quartel Tiradentes esteja localizado no coração do bairro do Reduto, sediando o 2º BPM e duas Companhias da Polícia Militar do Pará, os meliantes parecem desafiar abertamente os policiais. Os assaltos no bairro continuam muito frequentes, principalmente no…

Douglas da Costa Rodrigues Junior, estudante de Letras - Língua Portuguesa da Universidade Federal do Pará e bolsista do Museu Paraense Emílio Goeldi, ganhou a 18ª edição do Prêmio Destaque na Iniciação Científica e Tecnológica na área de Ciências Humanas…

O Ministério Público do Trabalho PA-AP abrirá na segunda-feira inscrições para Estágio de Nível Superior. A seleção será destinada ao preenchimento de vagas e formação do quadro de reserva de estagiários dos cursos de Administração/Gestão Pública, Biblioteconomia, Direito, Jornalismo, Publicidade/Propaganda…

Hoje, dia 23 de julho de 2021 às 19h, o Instituto Histórico e Geográfico do Pará realizada a nona “Live em Memória” da programação alusiva aos 121 anos do Silogeu, desta vez em homenagem ao centenário de nascimento do Almirante…

MPF denuncia 13 da Operação Menecma

Procurador da República Alan Mansur
procurador da República Alan Rogério Mansur denunciou à Justiça 13 envolvidos na Operação Menecma, em maio deste ano, acusados de fraudar documentos de recém-falecidos para sacar dinheiro ilegalmente.
Entre 2015 e 2016 o grupo desviou R$1,4 milhão de agências da Caixa Econômica Federal e do Banpará, em Belém e Ananindeua.

Conforme a ação criminal, eram sacados valores referentes a benefícios sociais como seguro-desemprego e bolsa família, dívidas judiciais do poder público (precatórios e requisições de pequeno valor), além de empréstimos fraudulentos. 

O esquema começava pelo levantamento em contas de recém-falecidos, feito por funcionários da Caixa e do Banpará.
Em seguida, a organização criminosa falsificava a documentação e fraudava os procedimentos necessários para os saques. Quando havia a necessidade de ir pessoalmente às agências, entravam em ação dublês dos falecidos.
O butim era diluído em diversas contas bancárias, a fim de não chamar a atenção dos sistemas de controle. 

O MPF requer penas de até 20 anos de prisão, além da devolução dos recursos desviados.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *