A expectativa era grande em relação à ida do governador Helder Barbalho à Assembleia Legislativa para a leitura da Mensagem na instalação da 61ª Legislatura. Funcionou como uma espécie de termômetro da Casa, que abriga novos deputados na oposição, e…

Foram empossados hoje na Assembleia Legislativa do Pará os 41 deputados estaduais eleitos para a 61ª Legislatura (2023-2027). Em seguida houve eleição para a Presidência e a Mesa Diretora, em chapa única, tendo sido reeleito praticamente à unanimidade – por…

O governador Helder Barbalho está soltando a conta-gotas os nomes dos escolhidos para compor o primeiro escalão de seu segundo governo. Nesta quarta-feira será a posse dos deputados estaduais e federais e dos senadores, e a eleição para a Mesa…

Pela primeira vez na história, está em curso  um movimento conjunto da Academia Paraense de Letras, Academia Paraense de Jornalismo, Instituto Histórico e Geográfico do Pará e Academia Paraense de Letras Jurídicas, exposto em ofício ao governador Helder Barbalho, propondo…

MP aciona Prefeitura de Marabá

O Ministério Público Estadual de Marabá ajuizou ontem, 27, Ação Civil Pública de improbidade administrativa contra o prefeito João Salame, o atual procurador geral do município e o secretário de Gestão Fazendária, além da empresa denominada Genu e Guimarães – Advocacia Pública e Empresarial. E requer a nulidade de ato jurídico celebrado em 2014 entre a mencionada empresa e a Prefeitura de Marabá, no valor total de R$240 mil, além da devolução desse valor, tendo em vista a dispensa de licitação sob o argumento de caracterizado a chamada “inexigibilidade”. 

O MPE-PA argumenta que não ficou devidamente caracterizado o serviço como sendo de natureza singular, a permitir a contratação direta, já que o objeto do contrato é a coleta de dados, por sinal, produzidos pela própria Administração Pública, e elaboração de projetos de lei, dentre outros itens que qualquer empresa ou mesmo profissional poderia efetuar; ademais, não ficou demonstrado se os advogados e procuradores do município de Marabá não têm capacidade para realizar o serviço, sem necessidade de contratar empresa particular. 

O MP ainda apontou que o procedimento administrativo de dispensa de licitação iniciou já pela definição da empresa a ser contratada (Genu & Guimarães – advocacia pública e e empresarial), e com o valor estipulado previamente pela própria, sem a necessária justificativa do preço, o que é exigido pela Lei Geral de Licitações, através da seleção da proposta mais vantajosa. A empresa foi selecionada previamente e o procedimento administrativo utilizado apenas para dar ares de legalidade ao negócio entabulado,argumenta o Parquet. Além das penas em decorrência do ato de improbidade, foi requerido o bloqueio dos bens dos envolvidos, no valor atualizado do pagamento efetuado à empresa em questão. 

Outro procedimento acerca de fato semelhante tramita na 13ª Promotoria de Justiça de Marabá, por mais uma contratação de advogado também sem licitação. A ação civil pública nº 0036538-07.2015.8.14.0028 foi distribuída à 3ª Vara Cível de Marabá e aguarda manifestação do juízo.

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on vk
Share on tumblr
Share on pocket
Share on whatsapp
Share on email
Share on linkedin

Conteúdo relacionado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *